Casos de dengue aumentam em Jandaia do Sul e Prefeitura faz alerta

598

A Secretaria de Saúde do Paraná decretou epidemia de dengue no Estado, na última quinzena de abril. A exemplo de tantos outros municípios, Jandaia do Sul também registrou aumento significativo nas notificações, conforme dados do Departamento Municipal de Saúde. De janeiro até agora, foram 200 notificações de casos suspeitos e 21 resultados positivos. Se comparado aos 12 meses de 2021, o número quadriplicou, pois no ano passado foram 49 notificações de casos suspeitos e apenas cinco positivados.

O último levantamento do índice de infestação pelo Aedes aegypti realizado em março, revelou que Jandaia do Sul está classificada em situação de alto risco, com índice de 4,3. O método de amostragem preconizado pelo Programa Nacional de Controle da Dengue classifica os índices menores de 1% como de baixo risco, sendo que de 1% a 3,9%, a classificação é de médio risco ou alerta.

Atenta à necessidade de orientar e sensibilizar a população para os cuidados fundamentais que evitam a proliferação do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, e diante da preocupação com o estado de pandemia decretado em municípios vizinhos, a Prefeitura iniciou um trabalho de conscientização dos jandaienses através dos meios de comunicação e das redes sociais.

Para combater o Aedes aegypti, o município tem promovido mutirões de limpeza nos bairros (com datas programadas para o ano todo), além das iniciativas realizadas pela equipe de endemias, como visitas domiciliares com orientações para a população, vistorias em pontos estratégicos (borracharia, ferro velho, recligagem, almoxarifado, entre outros), bloqueio mecânico para eliminação de criadouros e pulverização com bomba costal nas localidades de casos positivos.

Cuidados:

Combater a dengue é algo que está nas mãos da população. Com atitudes simples e responsáveis, cada um pode fazer a sua parte. Não acumular lixos nos quintais; verificar se não tem algum recipiente que possa armazenar água e vir a se tornar um criadouro do mosquito; manter as caixas de água vedadas; lavar no mínimo três vezes por semana as vasilhas de água dos animais; colocar areia nos pratos dos vasos de plantas; verificar as calhas; e não deixar pneus parados são as principais iniciativas de combate ao mosquito.

A enfermeira Isabel Moreno, coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Jandaia do Sul, relembra os sintomas mais comuns da dengue: febre, dor de cabeça, dor muscular e no globo ocular, náuseas, vômitos e manchas avermelhadas pelo corpo, e orienta que, na presença de sintomas, o paciente deve procurar os serviços de Saúde do município.

Sobre o aumento significativo dos casos de dengue em Jandaia do Sul em comparação com o ano anterior, Isabel observa que em 2021 a covid-19 estava no centro da atenção da população e dos profissionais de Saúde e, em função disso, provavelmente, houve casos subnotificados de contaminação pelo Aedes Aegypti. “De qualquer forma, o número é bastante expressivo e exige muita atenção de todos para que possamos controlar o mosquito transmissor”, reforça.

Covid-19

Os registros de casos positivos de covid-19 também subiram nos primeiros bimestres de 2022 em função da nova variante ômicron, que surgiu no final do ano passado, com disseminação mais rápida que a delta, porém, menos grave. Em 2021, Jandaia do Sul somou 7.773 atendimentos pelo Centro de Tratamento da Covid-19 (CTC), desse total, foram confirmados 2.725 casos e 65 óbitos. Neste ano, por enquanto, foram feitos 7.965 atendimentos, 3.835 casos confirmados (com número reduzido de hospitalizações) e 10 óbitos.

---Continua após a publicidade...

Diante dos sintomas comuns de covid (febre, dor de cabeça, dor no corpo, coriza, tosse, dor de garganta, cansaço, dificuldade respiratória), o paciente deve procurar atendimento médico. Tendo sinais de gripe, deve manter o uso de máscara e fazer a higienização das mãos com água e sabão ou álcool 70%. “Esses cuidados ajudam não só em relação à covid, mas também a outras infecções respiratórias que, comumente, aumentam nesse período do ano”, observa Isabel.

Compartilhar