Publicado em 11/05/2011

 

 

 

 

(+) TAMANHO DA LETRA (-) 

 

MEMÓRIAS DE JANDAIA DO SUL

Redigida pelo Prof. Milton Lopes.

Escrita por vencedores: Ex-Prefeito Luiz Antonio dos Santos (Zito), D. Aurora Sonni, Roberto Simões, Paulo Balarini, Luiz Carlos Rofas, José Alfaiate, Natalino Alfaiate, Francisco Medeirtos de Araújo (Didi) Clayton Valério, João e Professor Batista Franco, Nelson Mecânico, José Bruneli, Rute Guaita, Aurélio Mecânico, Professora Maria Benites, Pedro Ricciardi e todas as demais pessoas que foram entrevistadas, ou que seus nomes constam desta pesquisa.

 

Não devemos nos esquecer do passado, quem aqui veio, e o que fez pelos caminhos percorridos.

 

 

NASCIMENTO DE JANDAIA DO SUL

 

Em 20/08/1929, George Craig Smith, veio de Ourinhos (SP) para Londrina (PR), chefiando uma caravana de mais ou menos 12 pessoas com o objetivo de iniciar o desbravamento das matas, reconhecimento e o loteamento da maior empresa colonizadora da América do Sul, dona de 500.000 alqueires de terras vermelhas do Norte do Paraná. Terras cobertas de matas virgens que impressionaram Lord Lovat (escocês) em 1924, diretor da Sudan Cotton Plantations Syndicate e assessor de agricultura para assuntos de agricultura e florestamento, foi constituído presidente da Paraná Plantations versão inglesa da Companhia de Terras Norte do Paraná (CTNP).

A Companhia de Terras Norte do Paraná colonizou uma área correspondente a 546.078 alqueires de terras ou 1.321.499 hectares, ou ainda 13.166 Km2.

Fundou 63 cidades (entre elas está a nossa JANDAIA DO SUL) e patrimônios, vendeu 41.741 lotes rurais com área que variava de 5 a 30 alqueires, e cerca de 70.000 lotes urbanos com área média de 500m2.

Só em 1944 a companhia passou a chamar-se Companhia Melhoramentos Norte do Paraná.

 

 

 

Jandaia do Sul

Minha Cidade, meu Estado, meu País.

Vista parcial, durante a noite, da Avenida Dr. Getúlio Vargas da cidade de Jandaia do Sul. Ano de 2010. (Foto 01)

QUEM NÃO CONHECE O PASSADO

NÃO ENTENDE O PRESENTE.

 

Localização de Jandaia do Sul                  Periquito Psitacídeos (Aratinga jandaya) que deu

origem ao nome de Jandaia do Sul.

(Foto 02) (Foto 03)

 

 

APRESENTAÇÃO

 

Na qualidade de Jandaiense nato e professor por mais de 41 anos de efetivo trabalho dedicado a educação, nesta região, percebi que Jandaia do Sul estava perdendo parte de sua história.

Como um povo sem história é um povo sem memória, surgiu-me a ideia de escrever o que ainda é possível sobre a formação de Jandaia do Sul.

É um trabalho que resgata a memória dos Colonizadores, Pioneiros e Imigrantes que nessa Cidade se fixaram juntamente com seus familiares e fizeram o progresso acontecer. Também faz lembrar os tempos idos com saudades e encantamentos pelas histórias vividas em tempo real.

A intenção ao fazer esta síntese-histórica, foi de fazê-la o mais completo possível, no entanto pelo espaço de tempo já transcorrido, acredito que possa ter deixado de apresentar alguns nomes, contudo creio também que o essencial foi feito.

Quero que os manuseadores deste livro percebam, acima de tudo, o nosso esforço e o empenho ao escrevê-lo.

Fica também, além da história do passado da minha cidade natal, a minha homenagem ao Município de Jandaia do Sul e a seu Povo.

 

 

Jandaia do Sul, 25 de março de 2011.

Milton De Martini Lopes Villar

Professor de Matemática

 

 

 

 

SUMÁRIO

PRIMEIRA PARTE

Como originou Jandaia do Sul.....................................................................................01

Escritores, fotografias e localização da cidade ............................................................02

Apresentação ................................................................................................................03

Sumário ........................................................................................................................04

Dedicação......................................................................................................................05.

Agradecimentos.............................................................................................................06

Respeito.........................................................................................................................07

Admiração.....................................................................................................................08.

Prefácio .........................................................................................................................09

SEGUNDA PARTE

Primeiras casas e Praça Centenário de Jandaia do Sul..................................................10

Visão panorâmica da cidade e Praça do Café................................................................12

Origem do nome Jandaia do Sul/Jandaia de Goiás........................................................14

TERCEIRA PARTE

História formal do nascimento e Avenida Bom Sucesso de Jandaia do Sul.................17

QUARTA PARTE

Prefeitos, Vice-Prefeitos, Vereadores de 1952 á 2011e suas marcas.........................

Maquinários "rebaixando as ruas e avenidas" nivelando a cidade.............................

Primeiro e atual Sino da Igreja Matriz São João Batista.............................................

QUINTA PARTE

Pioneiros de Jandaia do Sul........................................................................................

SEXTA PARTE

Comércios antigos e históricos, 1951........................................................................

SÉTIMA PARTE

Pérolas do Município de Jandaia do Sul....................................................................

OITAVA PARTE

Misses de Jandaia.......................................................................................................

Capela (1940) e Igreja Matriz atual 2009...................................................................

Carroça de bois..........................................................................................................

NONA PARTE

Principal ponto turístico de Jandaia do Sul...............................................................

Considerações Finais.................................................................................................

DÉCIMA PARTE

Bibliografia do autor..................................................................................................

Fontes de pesquisas.....................................................................................................

 

 

 

DEDICATÓRIA

 

Dedico a essência deste livro à minha esposa Maria Aparecida, aos meus quatros filhos: Sandro, Marcelo, Fernando e Rodrigo e aos meus três netos: Leandro, Anna Edwiges e Lucas. Eles me deram força, apoio e me forneceram as condições básicas para que este trabalho acontecesse. Dedico também, e nem poderia ser diferente, aos jandaienses que me acolheram em suas residências para informações e entrevistas.

 

AGRADECIMENTOS

Como idealizador deste livro, agradeço minha família, meus professores do tempo em que eu ainda era estudante do Ensino Fundamental, Médio e Superior, e ao povo de Jandaia do Sul, sem os quais seria impossível realizar este trabalho. Agradeço também a Professora Ermelinda Sanches Camargo pela colaboração e apoio, e a Professora Miriam Fajardo pela correção ortográfica dos textos.

 

 

RESPEITO E ADMIRAÇÃO

A todas as pessoas e familiares aqui citados, o meu respeito e a minha admiração.

São pessoas vencedoras.

 

PREFÁCIO

 

Sinto-me realizado em poder escrever este livro que contribuirá, com toda certeza, no resgate da história do nosso Município.

Resgatar a participação de pessoas tão laboriosas na construção de JANDAIA DO SUL e região, assim como entendermos o progresso histórico e o cotidiano das famílias que neste Município se fixaram.

 

 

J A N D A I A D O S U L

As primeiras habitações feitas em Jandaia do Sul eram toscos ranchos de toncos de palmitos e cobertas de palha ou lascas de tábuas (tabuinhas de timburi, paineiras ou outra madeira mole) e muitas vezes não tinham nem portas e nem janelas.

 

 

Primeiras casas de Jandaia do Sul– 1941 Marco Zero da cidade. (Foto 04) . Casa da década de 50 na região rural de Jandaia do

Sul e o plantio de trigo já no final da década de 70. (Foto 05)

 

Foto histórica de Jandaia do Sul. Praça do Centenário, hoje Praça do Café, local onde os No fundo a Igreja Matriz, no cen- Sitiantes e os Cavaleiros deixavam suas carroças e seus

tro o Grupo Escolar "Rui Barbosa". cavalos amarrados. Também era o local onde se monta-

(Foto 06) vam os Parques e Circos de diversões em J. do Sul.

Foto tirada no ano de 1955. (Foto 07)

O legendário Lino Marquetti Jandaia do Sul em 1942.

"no centro da foto" – 1953. No fundo a 2ª Igreja "Capela" de madeira,

Primeiro Prefeito de Jandaia do Sul. o Campo de futebol com seus eucaliptos

(Foto 08) fazendo sombra nas tardes de domingos.

(Foto 09)

Vista panorâmica de Jandaia do Sul Jandaia do Sul – 2008 sentido Mandaguari/Jandaia do Sul. Foto tirada do alto do Barro Preto.

 Praça do Café, com seu chafariz, que está anexada ao Terminal Rodoviário de Jandaia do Sul.

 

(Foto 10) (Foto 11)

ORIGEM DO NOME JANDAIA

O nome Jandaia provém de um pássaro, um periquito que era muito comum em nossa região, chamado Aratinga jandaya. O acréscimo "do Sul" foi em razão de já existir uma outra cidade no Estado de Goiás com o nome de Jandaia, e como não pode ter duas cidades com o mesmo nome em um mesmo país, nossa cidade passou a se chamar JANDAIA DO SUL.

Esta é Jandaia, no Estado de Goiás. (Foto 12) Esta é Jandaia, no Estado de Goiás. (Foto 13)

 

O acesso, e a cidade de Jandaia no Estado de Goiás, cidade com 6.373 habitantes.

Jandaia do Estado de Goiás é bem mais velha que Jandaia do Sul/Pr.

 

 

 

HISTÓRICO

Jandaia do Sul foi elevado à categoria de povoado em 1942, e se transformou em Distrito de Apucarana pela lei estadual nº. 02 de 10/10/1947. Jandaia do Sul pertenceu à Apucarana de 30/12/43 até 14/11/51, antes disso pertencia à Londrina. Obs.: Jandaia do Sul nunca pertenceu ao Município de Mandaguari, como já foi citado em alguns livros que conta sua história. O que ocorre é que quando alguém se dirigia para Jandaia tinha que fazer o trajeto: Apucarana, Distrito de Pirapó, Caixa São Pedro e Mandaguari. Era o único "picadão" que dava acesso ao nosso Município. Não havia acesso direto Apucarana/Jandaia, como é hoje. Tanto Mandaguari como Jandaia pertenciam a Apucarana. Quando Mandaguari se desmembrou de Apucarana em 1947, Jandaia continuou sendo Distrito de Apucarana. Na verdade, Jandaia era dependente do comércio de Mandaguari e de Apucarana.

Jandaia do Sul pertenceu a Apucarana até que em 14/11/1951 pela lei estadual nº. 790, sancionada pelo então governador Bento Munhoz da Rocha Neto, foi desmembrado e elevado à categoria de Município. Pertenciam para Jandaia nessa época, Bom Sucesso que se estendia até o Rio Ivaí, para frente de São Pedro do Ivaí, e Marumbi que se estendia até Kaloré e Jussiara, as margens do Rio Bom e Rio Ivaí, respectivamente. Quando se instalou Jandaia ainda não existiam os distritos de Kaloré, Jussiara, São Pedro do Ivaí e São José, os quais eram somente, povoados.

Jandaia se instalou em 14/12/1952. Ela foi desmembrada em14/11/51, mas ainda não tinha administração própria, isto é, não tinha sua sede (Prefeitura), Prefeito e Vereadores.

Na primeira eleição, foi eleito Lino Marquetti para Prefeito.

Em 1954 Jandaia do Sul chegou a ter em torno de 35.000 habitantes. Aos sábados à tarde e aos domingos interrompiam-se a Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getulio Vargas, para carroças, charretes e carros transitarem, (não se esqueçam que a rodovia, BR-369 passava justamente pela Avenida Bom Sucesso, e que no governo do Prefeito Lino, a rodovia foi desviada do centro da cidade, para onde está hoje), pois apesar das ruas e avenidas serem de chão batido, havia muitos veículos transitando, muita gente caminhando, fazendo suas compras, tomando sorvetes, etc. Aquilo parecia mais uma festa.

 

 

Jandaia do Sul em 1955 (Foto 14)

Na foto estão: 1º-Vicente Catenassi, 2º-Joaquim da Silva (Negrinho), 3º-Clóvis Marcolino, 4º Desconhecido, 5º - Rubens Catenassi, 6º-Desconhecido, 7º- Nélio Marcolino (está de costas), 8º- Carlinhos Marcolino, que reside em Jandaia até hoje.

Casa Vitória do Sr. Armando. Bar Caipira do Sr. Cândido Vicente.

Sapataria Marilia do Sr. Luiz Alexandre. Bazar São João.

Hotel Belo Horizonte do Sr. Luiz Japonês. Hotel Sete do Senhor Fausto.

Em 1954, foram desmembrados São Pedro do Ivaí e Bom Sucesso, que foram elevados à categoria de Municípios. Em 1960, foi à vez de Marumbí, ser elevado à categoria de Município.

Em 1965, foi criado pela lei estadual nº. 5149 de 07/06/65 o Distrito de São José, que continuou anexado ao Município de Jandaia do Sul.

Quem nasce em Jandaia do Sul (gentílico) pode ser chamado de jandaiense-do-sul ou jandaiense (Fonte IBGE).

Jandaia do Sul é uma cidade criada pela Companhia de Terras Norte do Paraná. O patrimônio teve seus primeiros moradores (Pioneiros) para derrubar suas matas em 1938. Solo fértil e ótimo para o cultivo do café, motivo pelo qual se tornou um centro da convergência de agricultores de todas as regiões do Brasil e até mesmo de outros Países.

O Município de Jandaia do Sul conta com.

Uma área de 187.600 km quadrados.

Limites: Ao norte = Mandaguari;

Ao Sul = Marumbi e Bom Sucesso;

Ao Leste= Cambira;

Ao Oeste= Bom Sucesso.

IDH: 0,783.

Coodenadas geográficas= Longitude: 51º 37’ e Latitude: 23º36’.

Está situada no terceiro planalto paranaense.

Clima subtropical mesotérmico, verão quente com temperatura superior a 22º centígrados e inverno com temperatura inferior a 18º centígrados.

Está assentada sobre um divisor de águas, de um lado a bacia do Ivaí, do outro lado, a bacia do Pirapó. Temos dois córregos: O Guaporé e o Camutama. Temos também vários ribeirões, tais como: Humaitá, Ariri, Marumbi, Cambará e o Jequitibá.

Sua altitude em relação ao nível do mar é de 807 metros.

Está cortada por duas grandes rodovias federais: a BR-369 e a BR-736.

Terra vermelha, ótima para agricultura.

Com uma vegetação exuberante, árvores de porte avantajado, tais como: figueiras brancas, paus d`alhos, carvalhos, cerejeiras, timburí, castanheiras, cedros, palmitos, ipês, paineiras, paus-marfim, gurucaias, perobas, etc.

Seu Padroeiro é São João Batista – feriado comemorado em 24 de junho.

Comemora-se, com uma grande festa, seu aniversário em 14 de dezembro.

Em 1970, sua população era de 21.641 habitantes em 1998, sua população estava diminuindo, e o Município contava com a mesma área, 19.397 habitantes.

Hoje, pelo senso ano 2010, Jandaia conta com 20.133 habitantes, contra 19.676 de 2000, isto é, tivemos um crescimento populacional pequeno em 10 anos, de 457 habitantes segundo o IBGE. É uma cidade de porte pequeno e, no entanto é uma boa cidade do Paraná para se viver. Clima excelente com temperaturas agradáveis e um povo muito bom, acolhedor e hospitaleiro. Estamos a poucos minutos de Apucarana e de Maringá e a uma hora de Londrina (com aeroportos), que são considerados bons centros Comerciais e Médicos.

Em nossa região cultivavam arroz, feijão, milho e principalmente o café. O progresso tanto no Município de Jandaia como em todo o Norte do Paraná era muito grande, no entanto, este ciclo cafeeiro chegou quase ao seu fim com a desastrosa GEADA NEGRA de julho de 1975 que dizimou por alguns anos o Café da nossa região.

Com o fim do ciclo do café, como cultura principal, a população da zona rural ou dependente dela ficou em grande parte desempregada e teve que procurar outros meios de sobrevivência, migrou para os grandes centros urbanos e muitas destas pessoas tiveram que se fixar em favelas das grandes cidades. Os anos de 75 e 76 foram os anos do grande êxodo rural da nossa região. Até hoje existe esta migração em nosso município, só que saem da zona rural e vão para a zona urbana, isto ocorre muito em Jandaia do Sul. Com os grandes plantios de soja e cana de açúcar, moram na cidade e trabalham nessas culturas, principalmente no corte da cana de açúcar.

Tenho muitas saudades do tempo dos cafezais da nossa região. Na zona rural e na cidade havia muita gente vivendo da cultura do café, e vivendo bem.

Com exceção da quaresma e da colheita do café, todos os sábados se faziam bailes no meio rural (nos terreiros de secagem de café) e na cidade (no Country e na Ujes – União jandaiense dos estudantes secundários), só não havia bailes na quaresma. Aos sábados, era só sair de casa, "pegar" uma destas estradinhas do meio rural, subir em um tronco (toco de árvore derrubada), o que não faltava, permanecer um pouco em silêncio, que já se ouvia o som da sanfona. A consideração entre as pessoas era muito grande, todos se respeitavam.

Quem veio para Jandaia pensando em ver animais ferozes, viram onças (onça pintada que é o maior mamífero carnívoro do Brasil e maior felino das Américas do Norte e Central). É um animal que não ataca o homem em situações normais (está em extinção) e cobras, tais como cascavel, jararaca e principalmente a jaracuçu que é grande, dois metros de comprimento, de cor escura, se esconde fácil nas folhas secas. Cobra de bote certeiro, além do que é muito venenosa. Havia também muitos macacos, pacas, tatus, tamanduás, veados, catetos, capivaras, pacas, quatis, queixadas, antas, macucos, nambus, papagaios, araras, periquitos, jaburus, arapongas, jacus, etc. mamão e palmito eram nativos no Município e Região.

Jandaia do Sul, uma cidade pequena, simpática, bonita, limpa e organizada. A avenida principal apresenta as calçadas largas, próprias para os pedestres e para o comércio. Asfalto das ruas todo remodelado. É a cidade modelo e ponto de convergência comercial e de visitas de todo o povo todo o Vale do Ivaí e Região.

Se estiver em visita ao Paraná e em seu roteiro não estiver incluída a bela cidade de Jandaia do Sul, um verdadeiro pedaço do paraíso, sua visita ao Estado não será completa. Jandaia do Sul é uma cidade hospitaleira e acolhedora.

Visite-nos, você é nosso convidado!

 

 

 

PREFEITOS, VICES E VEREADORES DE JANDAIA DO SUL:

 

Suas principais marcas

Antes de Lino ser Prefeito de Jandaia do Sul, ele trabalhava como abridor de estradas. Foi ele com um trator que, em 1948, abriu a estrada entre Jandaia e Barbosa Ferraz.

Primeiro período - Prefeito

De 14/12/1952 a 14/12/1956 – Lino Marquetti

Não havia Vice - Prefeito

Vereadores: Plácido Caldas, Clemente José da Silva, José Moreira Prado, Antonio Barão, Domiciano A. Pereira, Miguel Carneiro, Hermindo Sonni, Benvindo Rodrigues da Silva e Antonio José da Silva.

Suplentes convocados: Balduino Cordeiro Neiva, Aparecido Teodoro Pereira, Bento Rodrigues de Freitas, Odílio Pereira, José Joaquim Almeida Filho, Emilio Leandro, Antonio Reche e João Pedro Evangelista.

Marcas:

Lino rebaixou as principais ruas da cidade. Jandaia era uma cidade com o terreno muito irregular, com ondulações muito fortes. Altos e baixos. Vem o Lino e quase que deixa a cidade plaina. Só não fez mais porque algumas pedras o impediu. Jandaia deve muito ao primeiro Prefeito Lino Marquetti. Teve rua que para ele plainar teve que afundar em torno de 04 (quatro) metros.

Foto de uma das ruas em rebaixamento – 1953. (Foto 15)

Abriu estradas. Construiu escolas e colocou um gerador de energia elétrica tocado a Motor a Diesel, (Foto 33) montado por Bruno Bozezowisk, sobre uma pedra de tijolos e concretro, dentro de um pequeno barracão, no ano de 1953, o qual foi usado até 1957 na iluminação da nossa cidade, quando chegou à energia elétrica. A "pedra", em que foi montado o motor, está até hoje no pátio da Emater. Vá conferir. (Só se ligava o motor quando escurecia e se desligava às 22h00min).

Construiu o Matadouro Municipal. Iniciou a construção da caixa d’água e deu início a rede de distribuição, levando-a até a linha férrea.

O Prefeito Lino foi quem abriu a maioria das estradas que hoje existe em nossa região, inclusive as que ligam Jandaia a São Pedro do Ivaí e de Jandaia a Kaloré. Muitas vezes, ele mesmo era quem dirigia o trator, especialmente quando os proprietários dos terrenos rurais não queriam a estrada, e isto era muito comum.

Começou o serviço de meio fio. Comprou um trator esteira. Foi ele quem nivelou a Avenida Getulio Vargas e as Ruas Dr. Clementino Puppi, Souza Naves, José Maria de Paula e outras. Criou o Ginásio Municipal de Jandaia do Sul, através da Lei nº. 131/53 o qual teve como primeiro Diretor o saudoso Professor João Welter Junior.

Ele tinha um assessor, braço direito, chamado Clodomiro, este senhor era tio do Luiz Carlos Rofas, entre outros como Antonio Quinteiro, Barrado, etc. eram homens de confiança e muito forte em seu governo.

 

Segundo período - Prefeito

De 14/12/1956 a 14/12/1960 – Luiz Antonio dos Santos (Zito)

Não havia Vice - Prefeito

Vereadores: Genésio Pires Ramos, Adhemar Villela (Sogro do ex-Governador José Richa e Avô do atual (ano de 2011) Governador Adalberto "Beto" Richa, Lázaro de Paula Rodrigues, Antenor Rodrigues Simões, José Matias Fernandes, Otávio Imposseto, Laudelino Lacerda, João Esplícido, João Franco de Souza, e Vergílio Brischiliari.

Suplente convocado: José Raul da Silva.

 

Da direita para a esquerda (na frente): 1º desconhecido; 2º Zito; 3º Dom Geraldo de Proença Sigaud, Bispo Diocesano de Jacarezinho; 4º Dr. Cristóvão e 5º Pe. João Batista Barbieri. (Foto 16)

 

 

(Foto 17) (Foto 18)

Visão externa e interna da Igreja Matriz, São João Batista, por ocasião da posse de Zito como Prefeito. A Igreja de madeira (foto 18) por ocasião da construção da atual (foto 17) ficou na parte interna, que continuou sendo usada normalmente por todos.

 

Marcas:

Transportou em seu caminhão, de Apucarana para Jandaia, a madeira para a construção da 3ª Igreja Católica de Jandaia do Sul, que ficou pronta em 1947 (ainda não era Prefeito).

Terminou a caixa d’água e fez a ligação da rede da linha férrea até a Chácara da Mina, onde hoje é do Senhor Hermínio Vinholi. Iniciou a construção da Prefeitura. Construiu 10 escolas. Mantinha no mínimo 40 professores municipais em Jandaia, Marumbi, Kaloré e o Distrito de São José. Ajudou iniciando e doando o terreno em comodato por 99 anos para a construção do Country Clube.

Doou junto á Câmara de Vereadores o sino grande da Igreja Matriz, veja:

 

(Foto 19) (Foto 20)

Os nomes dos Vereadores, que juntos com o Prefeito Zito doaram o sino principal da igreja: Antenor Rodrigues Simões, João Franco de Souza, João Esplícido, Laudelino Lacerda, Lázaro de Paula Rodrigues, José Matias Fernandes, Otávio Imposseto e Virgilio Brischiliari, Adhemar Villela e Genésio Pires Ramos, estão gravados no bronze.

Curiosidade:

O sino custou em torno de 1000 (mil) vezes o salário de um vereador da época.

Construiu e reformou muitas pontes, sendo: Uma no Rio Dourados, na estrada da pedreira, 02 (duas) pontes no Rio Marumbi, locais: Batista e Joaquim Evaristo, 03 (três) pontes no Rio Cambará, locais: Adão Benzedor, Antonio Fonseca e estrada velha para Bom Sucesso para Jussiara, uma ponte na barra, o rio Humaitá, uma ponte no Rio da Preguiça, em Kaloré/Jussiara, uma ponte no Rio Bom Kaloré/Borrazópoliz, uma ponte no Rio Rochedo, divisa entre Jandaia e Mandaguari, 03 (três) pontes no Rio Humaitá, uma na divisa de Jandaia do Sul com Bom Sucesso, na Barra do Humaitá, sendo uma no sítio do Roberto Schiviötke, Alemão, sogro do Genésio Celini, (Genésio da Copel), outra no sítio do Anísio Negrão e a terceira na fazenda do Antonio Machado que hoje é da família do Dr. Perseu. Construiu ruas, e a maior parte dos meio-fios das ruas existentes na época, Ampliou a distribuição da energia elétrica num acordo feito com o prefeito de Apucarana. Iniciou a Construção da Praça do Centenário, hoje Praça do Café, colocando no local um Parque Infantil (cuidado pelo Sr. Benedito da Rosa, Pai do Quirino Rosa). Iniciou à construção do prédio da prefeitura. Asfaltou 30.000 metros quadrados. Instalou a telefonia. Trouxe a escola Normal Regional. Comprou a banda musical. Comprou duas motos niveladoras e um jipe.

Acabou de cercar o cemitério colocando os atuais portões de ferro (feito pelo Sr. Debrair Médola). Zito construiu a primeira Escola da Vila Rica, para isto obteve uma grande ajuda do seu colaborador, Vereador João Franco de Souza, o construtor foi o Sr. José Barão Filho, isto foi em 1947. Construiu a Escola do Distrito de São José, construtor foi o Sr. João Malacrida Pai do Nelson Malacrida, que teve como Primeira Diretora a Professora Verônica Gonçalves. Começou a construção da Praça Juvenal Dias de Souza.

Zito tinha como parceiro e companheiro de Partido (PSD) o Governador do Estado Moisés Lupion que governou de 1947 á 1951, depois teve seu 2º mandato de 1955 á 1959.

 

Terceiro período - Prefeito

De 14/12/1960 a 14/12/1964 – Salvador Valera Sanches

Não havia Vice - Prefeito

Vereadores:

Dr. Carlos Bohana, Dr. Manoel Ribeiro Ferraz, João Pedro Evangelista, Geraldo Neves da Luz, Newton Marques da Silva, Luiz Antonio dos Santos, Renir Ramalho de Oliveira, João Explícido e Otávio Imposseto.

Suplentes convocados: João Franco de Souza, Genésio Pires Ramos, Verônica Loide Gonçalves da Silva, Cláudio Raimundo, Ivo Sonni, Cândido Barbosa Carvalho e Antonio Dias de Almeida.

Marcas:

Construiu algumas pontes que foram destruídas pelas chuvas da época. Reformou a frota Motorizada, fez pavimentação asfáltica, terminou a construção do edifício da primeira Prefeitura de Jandaia. Adota o Estatuto dos Funcionários Públicos do Estado do Paraná. Construiu um Necrotério no cemitério da cidade. Criou a Feira Livre. Terminou a construiu da Praça Juvenal Dias de Souza. Instalou o Britador na Pedreira Municipal, a qual tinha adquirido,

 

Quarto Período - Prefeito

De 14/12/1964 a 31/01/1969 – João Pagliarini

Vice - Prefeito = Damásio Gomes Brito da Silva

(mudou a data do final do mandato)

Vereadores:

Ramon Benites Peres, Antonio Alves de Miranda, Inês Dias Furrier, Dr. William James Pereira, Sebastião Nanussi, Sérgio Sonni, João Moreira Branco, Dr. Cristovão Soares Cavalcanti, Reinaldo Caliman e Ilecio Heckert.

Suplentes convocados: Euclides Maranho, Gregório Pozza, Dr. Seldo Frahia, João Batista Varea, Ovídio Daniel e José Ferreira de Paula.

Marcas:

Foi o Prefeito que asfaltou grande parte das ruas da cidade. Construiu escolas. Construiu a atual Praça do Café e trouxe o Banco do Brasil. Iniciou a construção do Hospital Regional. Doa o terreno para ao Sindicato dos Carregadores e Ensacadores de Café e ao Sindicato de Trabalhadores Rurais de Jandaia. Criou a Biblioteca Municipal. Trouxe a Copel - Companhia Paranaense de Energia Elétrica para Jandaia. Deu início a distribuição da água potável.

 

Quinto período - Prefeito

De 31/01/1969 a 31/01/1973 – Hermínio Vinholi (o que foi feito nos dois mandadatos)

Vice - Prefeito = Raphael Morales Sanches

Vereadores:

Nelson Malacrida, Leonor Marchetti Caldas, Noêmia Evangelista, João Dias do Nascimento, Dr. Manoel Ilecir Hechert, Dr.Waldomiro Barbieri, Dr. Ivalino Turke, Antonio Gervicas, João Lopes de Oliveira, José Farias de Moraes, Dr. Francisco J. Silva Nunes.

Suplentes convocados: Dr Seldo Frahia, Edward Antônio Romani e Orlando Azolini.

Marcas:

Construiu e inaugurou o Ginásio de Esportes Osmar Panício. Ampliou e construiu o muro da Delegacia de Polícia de Jandaia do Sul. Adquiriu o terreno para a construção do Grupo Escolar John Kennedy. Ampliou a Prefeitura. Adquiriu uma pá mecânica, um caminhão e uma moto niveladora. Construiu o Conjunto Habitacional Guadalajara.

Seu Hermínio foi considerado "o Prefeito das Relações Públicas e o maior festeiro" entre os Prefeitos de Jandaia do Sul

 

Sexto período - Prefeito

De 31/01/1973 a 02/02/1977 – João Pagliarini

Vice - Prefeito = Wilian James Pereira

Vereadores:

Antonio Costenaro Neto, Dr. Waldomiro Barbieri, Eduardo Fuline, Carlos Faustino Pereira, Hermindo Sonni, João Dias do Nascimento, Orlando Azolini, Martin Camacho Peres, Ermenegildo Cassemiro da Costa, José Marques da Silva e Dr. Seldo Fraiha.

Marcas:

Adquiriu e dou o terreno para construção da Unidade Pólo.

Foi um mandato muito conturbado – O Prefeito abriu a nova Jandaia em Mato Grosso e de certa forma abandonou Jandaia. Só fez o necessário.

 

Sétimo período - Prefeito

De 02/02/1977 a 31/01/1983 - Hermínio Vinholi

Vice - Prefeito = Dr. Waldomiro Barbier até 09/11/77 (que renunciou ao mandato)

(mudou o mandato para 06 anos)

Vereadores:

Salvador Ruiz, Ernesto Bacarim, José Rodrigues Borba, Hermindo Sonni, José farias de Moraes, Carlos Roberto Massa (Ratinho), Eduardo Fuline, Dr. Gilson Medeiros de Mello, Jonas Morales Azolini, José Marques da Silva e Orlando Craco.

Suplente convocado: Martins Camacho.

Marcas:

Ampliação da rede elétrica. Fez a doação do terreno para a construção do Prédio Próprio da Escola Especializada Cantinho Feliz. No seu mandato foi instalado a Cooperval em Jandaia do Sul.


Oitavo Período - Prefeito

De 01/02/1983 a 01/01/1989 – Perseu Matheus Pugliese

Vice - Prefeito = Nelson Malacrida

(06 anos de mandato)

Vereadores:

Carlos Roberto Massa (Ratinho), Professor Fredi Teles da Silva, Dr. João Maximiano, Osvaldo Farinazzo, Wilton Aparecido Pontara, Jonas Morales Azolini, Dr. Neri Simm, Salvador Ruiz, Ramon Benites Peres, Nelson Costenaro, Milton José Pupio e Hermes Ambrosio.

Suplentes convocados: Josué Onofre da Rocha, Luiz Moretti, Hermes Ambrosio, Manoel Biazim e Rubens Plaisler.

Marcas:

Reparo nas ruas da cidade (operação tapa buracos), reconstruiu pontes nos rios da cidade. Colocou a folha de pagamento dos funcionários e dos credores em dia, o que não vinha acontecendo.

Construiu 75 casas pelo sistema Mutirão, Confeccionou Primeiro Estatuto do Quadro Próprio do Magistério Municipal. Colocou em funcionamento a Vaca Mecânica. Construiu a Escola José de Anchieta e a Creche Doce Lar na Vila Paião. Construiu muitas pontes de concreto, pois a maioria era de madeira.

 

Nono período - Prefeito

De 01/01/1989 a 31/12/1992 - José Rodrigues Borba

Vice - Prefeito = Sergio Alves dos Santos

(mudou a data do fim do mandato)

Vereadores:

Ramiro Marque Moleiro, João Carlos Ortega, Lauro de Souza Silva, Edson Carlos Segantini da Silva, Albino Roque Padovan, Antonio Batista Guimarães, Valdecir Albieri, Lupércio Adão Pereira e Orlando Craco.

Marcas:

Alterou o Estatuto do Magistério Municipal criando cargos e salários. Fez doação de terrenos para o Projeto Mutirão. Doou um terreno para a APROJAN. Fez asfalto e conservou as ruas da cidade. Foi considerado um bom Prefeito pela população. Construiu o parque Industrial e asfaltou a pista dupla saída para o Vale do Ivaí. Doou o terreno para a construção do Jardim Capocci. Fez vários loteamentos na cidade com casas populares. Incentivou o funcionamento da Pedreira Municipal e dou pedras para todos que quisessem fazer construções na cidade. Construiu vários Salões Comunitários tanto rurais como urbanos. Melhorou o viveiro e produziu mudas de café, cedendo-as aos cafeicultores como medida de incentivo ao principal produto agrícola de Jandaia do Sul. Construiu 250 moradias, sendo 48 no Distrito de São José, estas últimas construídas com recursos próprios (5 anos para pagar e 10% do salário mínimo). O aterro do Parque industrial na saída para Bom Sucesso, consumiu 111.000 caminhões de terras. Construiu o Barracão da Vila Santo Antonio. Ajudou com 80% na construção da Sociedade Rural. Adquiriu caminhões. Conseguiu um ajuste no Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de 1,2 para 1,4. Ajudou na construção dos Barracões industriais na saída para Bom Sucesso. Dou terras e pórticos para indústrias. Fez e iluminou o campo dos Funcionários Públicos Municipaismde Jandaia do Sul. Melhorou e manteve as estradas rurais conservadas. Calçou as vielas do Cemitério Municipal. Criou a fábrica de manilhas. Fez todo o calçamento em volta da Igreja Matriz. Implantou a Vaca Mecânica no Centro Social Urbano.

Décimo período - Prefeito

De 01/01/1993 a 31/12/1996 – Perseu Matheus Pugliese

Vice - Prefeito = Ramiro Marques Meleiro

Vereadores:

Lauro de Souza Silva, Silvio Camini, José Marques da Silva Filho, Orlando Craco, João Edson Lovo, Dr. Wilson Nogueira, Luiz Caetano Viotto, Valdecir Albieri e João Ortega Filho.

Marcas:

Reconduziu funcionários aos seus cargos, funcionários estes que foram afastados no mandato anterior ao seu. Modifica através da Lei nº. 1658 o quadro de Pessoal do Município. Adquiriu o Hospital Senhor do Bom Fim, tornando-o Municipal. Doa área de terras à empresa Princesa do Ivaí e a algumas Igrejas Evangélicas.

 

 

Décimo primeiro período - Prefeito

De 01/01/1997 a 31/12/2000 – Manoel Fernandes Maciel (Neco)

Vice - Prefeito = Inei Sandro Hechert

Vereadores:

José Everaldo Pupio, João Carlos Ortega, José Aparecido Pereira, Luiz Henrique Barbieri, Antonio Vicente de Aguiar, Genilson Pires, Célia Correa Cavassani, Silvio Camini e Valdecir Albieri.

Marcas:

Ampliou a Prefeitura em 700,00 metros quadrados, Inaugurou o PAM (Pronto Atendimento Médico), Cercou com arame o Lixão do quilômetro 02, antes disto os caminhões, muitas vezes, deixavam o lixo na estrada, trancando a passagem de carros, isto sem contar o odor que fazia. Refez o Estatuto e o Quadro Próprio do Magistério Municipal. Criou o Cargo de Médicos Plantonista no Quadro Efetivo do Município. Ampliou a rede de água e esgoto e viabilizou sua estação de tratamento. Fez a cobertura da Concha Acústica, a qual foi aproveitada para fazer o Anfiteatro da Praça do Café. Asfaltou o Conjunto Habitacional Nova Jandaia. Adquiriu e pagou os terrenos do Jardim Esmerada e o terreno do Jardim Lino Marquetti. Comprou e pagou os terrenos das duas Vilar Rurais: Vicente Pupio e Paraíso, onde colocou energia elétrica nas ruas e forneceu as ferramentas agricultáveis tanto para as donas de casas como para os proprietários. Forneceu os equipamentos cozinha industrial, colaborou na plantação de plantações medicinais (fitoterápicos). Motivado pelo ajuda que deu aos Vileiros, eles foram campeões das Vilas do Estado do Paraná na Época. Fomentou o viveiro de mudas de Café (incentivo aos agricultores). Forneceu insumo ao pessoal da uva (Vinicultores). Divulgou os produtos agrícolas de Jandaia através de concursos. Adquiriu a forma para fazer o posteamento de concreto das parreiras de uvas. Forneceu o acompanhamento técnico. Criou o Departamento de Fomentos Agropecuário e Meio Ambiente. Instituiu o Ensino Religioso nas Escolas Municipais. Criou a Lei na qual os aposentados não pagavam IPTU. Readequou as estradas rurais e os carreadores a custo zero para o produtor. Fez terraceamento para o plantio na zona Rural, Fez curva de nível para os agricultores. As mudas de café eram distribuídas pela Associação dos Cafeicultores. Reformou escolas rurais, como as do: Maracanã, Humaitá e São Pedro do Guaporé. Aumentou as galerias das ruas da cidade, fez o manilhamento da Rua 21 e do Jardim Morumbi. Deixou dinheiro em caixa para o pagamento do Ginásio de esportes do Jardim Esmeralda e do Jardim das Flores. Pagou o asfalto do Jardim Moretti. Colocou para funcionar a padaria comunitária e a máquina de fazer leite de soja. Reformou o Ginásio Osmar Panice e a Estação Rodoviária. Reformou a quadra de esportes e vestiário, o posto de saúde, o salão comunitário e a Igreja, todos do Distrito de São José. Colocou um Policial e uma Ambulância no Distrito de São José. Substituiu toda a iluminação de cidade que foi destruída pela chuva de granizo. Dotou o PAM de remédios. Colocou a decoração natalina com painéis na Avenida Dr. Getulio Vargas e na Praça de Café. Adquiriu o 1º piso do Banco do Brasil para ali se estalar a Câmara Municipal. Criou uma Escola Profissionalizante ao lado do PAM, onde hoje está funcionando o CRÁS. Criou a Escola de Informática. Implantou a Agência do Trabalhador. Fez reparos na APAE. Construiu o Salão Comunitário do Marumbizinho e a Quadra de Esportes do Maracanã.

 

Décimo Segundo período - Prefeito

De 01/01/2001 a 31/12/2004 – João Biral Neto

Vice Prefeito = João Carlos Ortega

Vereadores:

Valdecir Albieri, Arthur Turke Sobrinho, Helio Cândido Ramos, Lauro de Souza Silva, Leonor Gobetti, Professora Maria Julieta Pianez Monfredinho, Professor Milton De Martini Lopes Villar, Professor Samir Aiache e Sérgio Alves Rocha.

Marcas:

Construiu a Capela Mortuária. Construiu a Pista de caminhada. Desativou as escolas da Zona Rural. Iniciou a construção da Casa da Cultura e a Capela Mortuária. Construiu Casas Populares em número de 178 unidades. Reassentou o pessoal que vivia em condições subumanas na Vila Santo Antonio (desfavelamento), alocando-os no Jardim Esmeralda. Construiu o Aterro Sanitário. Construiu a Pista de Caminhada. Criou Parques industriais. Criou o Novo Estatuto do Magistério Municipal. Fez a Creche e a Quadra de Esportes no Jardim das Flores, etc.

Foi um dos Prefeitos que mais obras fez por Jandaia do Sul.

 

Décimo terceiro período - Prefeito

De 01/01/2005 a 31/12/2008 – Moacir Martins Bruzón

Vice Prefeito = Benedito José Pupio

Vereadores:

Artuhur Turke Sobrinho, Célia Correa Cavassani, João Batista dos Santos (João água doce), José Aparecido Pereira (Zé da gruta), José Roberto Brasileiro, Leandro de Souza Silva, Luiz Caetano Viotto, Professor Samir Aiache e Simone Lovo.

Suplente convocado: Leonor Gobetti

Marcas:

Elaboração do Plano Diretor do Município de Jandaia do Sul.

Recapeou a Avenida Principal da cidade e mais algumas ruas do centro. Construiu 02 (duas) escolas: Césas Lattes e Monteiro Lobato, esta última com recursos próprios. Ampliou com duas salas a Escola John Kennedy e uma sala a Escola do Distrito de São José. Manteve a cidade limpa e com as ruas em perfeitas condições de uso. Folha de pagamento do funcionalismo em dia. Reestruturou o Estatuto dos Professores. Implantou eleições diretas para diretores, nas Escolas Municipais. Criou o Sistema de Substituição e de aulas extraordinárias para Professores na rede municipal de ensino. Criou o Fundo Rotativo para as escolas Municipais. Terminou a Casa da Cultura e a Capela Mortuária. Melhorou e ampliou as bocas de lobo e fez a rede de esgoto na Avenida Dr. Getulio Vargas. Reformou a quadra de esportes da Escola do Distrito de São José, Arrumou a entrada do Distrito de São José. Colocou paralelepípedos em quase todas as ruas que ainda não eram asfaltadas. Trocou as luminárias da Rua Senador Souza Naves até a Casa da Cultura. Trocou as luminárias da Avenida Marechal Cândido Rondon. Fez o Redondo em frente ao Cantinho da Costela, Manteve as estradas rurais em boas condições de uso, Colocou para funcionar a Creche do Jardim das Flores. Iniciou a construção das quadras de esportes das Escolas Municipais Manuel Bandeira e César Lattes, Iniciou o Barracão Comunitário do Jardim das Flores, etc.

 

 

 

Décimo quarto período - Prefeito

De 01/01/2009 a 31/12/2012 - José Rodrigues Borba.

Vice Prefeito = Dejair Valério

Vereadores:

André Luis de Oliveira (Bola da Gráfica), Célia Correa Cavassani, Clovis Aparecido Biazotto, Fabio Luiz Camini, Genilson Pires, José Aparecido Pereira (Zé da gruta), José Carlos Gonçalves, Wesley Martins de Lima e Jurandir do Nascimento (Jurinha).

Marcas:

Está fazendo o recapeamento da maioria das ruas da cidade e construindo um anfiteatro na Praça do Café. Conseguiu a reforma do salão CTA (Centro de Treinamento Agrícola) e fez a cobertura da arena da Associação Rural de Jandaia do Sul. Melhorou e cobriu o pátio do Almoxarifado. Reativou o funcionamento da Pedreira Municipal. Construiu o Fórum Eleitoral. Construiu a Biblioteca Cidadã. Readequou enlarguecendo e encascalhando todas as estradas rurais municipais.

Trouxe para Jandaia:

Um Ônibus, um Miro-ônibus, dois carros Fiat Uno 1.0, uma Perua Volksvagen, duas Peruas Kombi Volksvagen, um Fiat Uno Mille. Equipamentos e materiais permanentes para Unidades Básicas de Saúde: Seis Autoclaves Horizontais, um Analisador Automático de Hematologia, cinco aparelhos para Polimerização de Resina, cinco Compressores Odontológico, uma Estufa, um Banho–Maria, uma Centrífuga – Microhematócrito, uma Centrífuga para tubos, um Microscópio, Um Projetor Multimídia (data show), cinco Amalgadores Odontológicos, cinco cadeiras odontológicas.

Aquisição para a Patrulha Mecanizada: cinco Caminhões, duas Pás Carregadeiras, uma Motoniveladora, um Trator Esteiras, um Rolo Compactador, uma Retroescavadeira, uma Pá Carregadeira sobre rodas, um Trator Agrícola sobre rodas, dois Caminhões equipados com Coletor Compactador de Resíduos Sólidos, uma Mini Carregadeira de roda, um Conjunto Triturador de galhos com Transporte Acoplado, um Sistema de Trituração, um Sistema de Triagem, um Sistema de Recepção, um Sistema de Prensagem, uma Enxada Rotativa, uma Grade Rotativa de controle remoto, uma Plaina Traseira Reversiva para Trator.

Cobriu a Arena da Sociedade Rural de Jandaia do Sul. Restabeleceu o funcionamento da Pedreira Municipal. Acabou as três quadras de esportes começadas no governo do Moacir Bruzón. Terminou a quadra de esportes do Jardim das Flores, do Governo João Biral. Fez também o chafariz perto da churrascaria "Cantinho da Custela".

 

 

 

PIONEIROS DE JANDAIA DO SUL

São considerados Pioneiros de um Município, as pessoas que habitavam nele antes de se tornar Distrito. Jandaia do Sul se tornou Distrito em 10/10/1947. São aquelas pessoas, de mãos calejadas, que realmente arrancaram com enxadão, tocos das ruas e das estradas da nossa região, que derrubaram o mato na foice, no machado e trançador, que plantaram os primeiros pés de café. Que enfrentaram os bichos como cobras, onças, mosquitos, borrachudos, pernilongos e tudo mais.

No entanto, neste trabalho, vamos considerar Pioneiros, Colonizadores aqueles que aqui se fixaram até 1951, quando Jandaia do Sul foi elevada à categoria de Município.

 

Pioneiros que me lembrei e que pesquisei foram:

1938

001-Sebastião Balieiros – Pai dos irmãos: Jorge, Antonio e da Professora Maximina Balieiro Dias.

002-Tatuziro Maruo – Tio da Professora Maximina e da Professora Olívia Balieiro Matile.

003-Tomaz Perez Parra – 30 alqueires no km 03, estrada velha para Marumbi - Pai de João Perez Parra – Sogro do Valdir e do Sebastião (Tião) do gás da Vila Rica.

004-Cristóvão Peres Parra – 12/11/38 – Sitiante – Pai de João Peres Garcia e Avô de João de Jesus Garcia.

005-Marculino Goularte – Agricultor – Pai do João Goularte. Tinha uma propriedade rural na estrada velha para Marumbi.

1939

006-Américo Barbieri – Sitiante - Pai do Aparecido Barbieri (Cido caminhoneiro).

007-João e Francisco Carrascosa – Cambira e Jandaia – Avô e Pai da Professora Loide Carrascosa.

008-João da Silva – Sitiante – Primo da Estela, esposa do Zito Lopes, Cunhado do Pepe da Livraria Brasil.

 

1940

009-Diogo Martins – Pai dos irmãos: Flávio, José e Brás Castilho e Avô do Diogo Martins do Bradesco.

010-Gotardo Cavalaro – Comprou terreno em Jandaia em 1936, mas só veio morar aqui em 1940 - Pai do Arthezio Cavalari e Avô do Arlindo Cavalaro.

011-Antonio de Souza e Silva – Sitiante - O Antonio Baiano – Homem muito honesto, respeitado e querido pelo povo de Jandaia - Pai do Lauro despachante.

012-José Darienso – Era Proprietário de uma pensão e um açougue, Avô da Rute Guaita

013-Chardulo - Pai do saudoso João Chardulo.

014-Alberto Dalboit – Sogro do Pedro Maximiano e Pai da Hélide Dalboit Maximiano.

015-Francisco Afonso.

016-Gregório Navarro – Pai do Segundo Navarro – Comprou terreno aqui em 1938, mas só veio abrir o terreno em 1940 – Avô do Gregório e Antonio Navarro.

017-Natal Prosdócimo – Sitiante. Tinha uma casa de moradia na esquina da Avenida Dr. Getulio Vargas com a Rua Senador Souza Naves.

018-Pedro Bedin – Maracanã – Pai dos irmãos: Abílio, Dirceu Bedin e Avô do Carneiro da Metafa. É uma família muito grande e bem conceituada em nossa cidade.

019-Carmo Fusco – Sitiante – Maracanã.

020-Zeferino – Sitiante – km 03 – Estrada Velha para Marumbi – Pai de Euclides Maranho e Avô de Cristiano Jesus Maranho, Juiz de Basquete.

021-José Borges - Pai dos irmãos: Iraclides e Palmira Borges Maximiano e outros.

022-Nelson Ribeiro da Cruz – Sitiante e mais tarde comerciante – Pai de Nelsinho, Joel (Peninha), Nice e Eduardo da Cruz – Seu Nelson já há muito tempo é comerciante em Jandaia do Sul. Ele é Avô da Daniela da Farmácia.

023-Agenor Cordeiro – Sitiante – Pai do Professor Ivo Cordeiro de Marumbi.

024-João Pereira – Sitiante, Castrador de porcos e Domador de cavalos.

025-Roberto Schiviötke – Alemão – Sitiante na Barra do Humaitá – Sogro do Genésio Celini (Genésio da Copel).

 

1941

026-João Raimundo – Agricultor – Pai dos Irmãos: Altino, Antonio e Cláudio Raimundo. Família grande e muito bem conceituada em Jandaia do Sul.

027-Gabriel Lopes Vilar – Espanhol – Pai de Marcos Martins Lopes, hoje Deputado Estadual em São Paulo.

028-Monteiro Teixeira – Pai do Gilberto Monteiro do Cachorro quente.

029-João Franco – 01/05 - Pai do João Franco e dos Professores Aparecido e Batista Franco.

030-Joaquim Manoel de Carvalho – Pai do Armando Manoel de Carvalho (Armando boidaeiro), Na verdade Cambira divisa com Jandaia/ Ponte do Marumbizinho, Joaquim sempre teve Jandaia como sua cidade, assim como a maioria das pessoas que residia em Cambira divisa com o Marumbizinho.

031-Geraldo Alvarenga (Tiburcio) - Poceiro e Peão, Pai do Anésio Poceiro.

032-Augusto da Silva – Sitiante – Pai do Moacir da Antártica.

033-Francisco Ambrósio – Pai dos irmãos: Hermes e Zé Ambrósio.

034-José Gonçalves Cardoso – Sitiante e depois Colchoeiro.

035-Paulo Crestani (Paulo Bertaco) – Pai dos irmãos: José, Antenor, Antonio e Gilberto Crestani, etc.

036-Leopoldo Fachini – Pai dos irmãos: Antonio e Alberto Fachini, Alberto foi uma pessoa muito bem conceituada, respeitada e querida em Jandaia, foi também sitiante, delegado, etc.

037-Antonio Alba – Tio do José Gonçalves (Zé alfaiate) como queira. Ele foi sitiante, depois teve um bar e por último tinha uma espécie de "lotérica" para a época, vendia loterias em um ponto fixo.

038-Toshio Yamagushi – Sitiante – mais tarde colocou Bazar do Ponto – Pai do Armando Yamagushi.

039-Segundo Navarro Reina – Agricultor- Pai do Tarcilio.

040-João Paduan – 04 de agosto de 41 – Sitiante – Pai do Albino da Prefeitura.

041-Juventino Perez de Andrade – O Juventino da banca.

042-João Forte – Era dono da chácara ao lado da chácara do Pinga Fogo.

043-Antonio Alexandre (Totó) – Comprou o sitio em 1937, mas só veio para Jandaia em 1941 – km 03, estrada velha para o Marumbi – Pai do Milton Alexandre da Prefeitura (Milton Gato).

044-Diocleciano Brasileiro – Sitiante – Pai do José Brasileiro e Avô do Roberto Brasileiro.

045-Ângelo Sasso – Sitiante – Pai dos irmãos: Artésio, Célio e do Deodato Nelson Sasso, Avô do Ângelo Sasso.

046-Antonio Fantin – Sitiante – Pai do Deodato e do Renato Fantin, motorista da Prefeitura.

047-João Dalpoz (Joanim Leiteiro) – Sitiante – Pai do Wiliam e Genro do Nazareno Sonni.

048-Adelino Varago – Sitiante – Barro Preto.

049-Recierde Varago – Sitiante – Barro Preto e mais tarde foi dono da Empresa de Ônibus São Cristóvão.

050-Primo Manhole – Sitiante – Era dono da propriedade onde hoje é o Parque Industrial na saída para Mandaguari – Avô do Carlão do Almoxarifado.

051-Antonio Gonçalves de Almeida – Sitiante – Pai dos Irmãos: Antonio, Cacilda, Antonio (Nico), Mauro e David Gonçalves (Escritor Jandaiense com mais de 25 livros escritos e lançados).

052-Vergílio Pereira da Silva – Sitiante no Dourado – Pai da Dona Ana e Jandira Pereira Caldeira e Avô do Dr. Lupércio Adão Pereira.

053-Luiz Dolce – Sitiante do km 04 – estrada velha para Marumbi em frente ao Ceboleiro.

054-Domingos Soares Ribeiro – Empregado do meio rural. Foi trabalhar como serralheiro, em frente ao conhecido Ceboleiro no km 04, sitio do Sr. Henrique, alemão, na estrada velha para o Marumbi – Pai de José Ribeiro e Avô da Professora Maria Tereza Cavalcante.

 

1942

055-João Ruiz Galian – Setembro de 42 – Corretor e Sitiante – Pai do Chico da Farmácia, do José e do Sr. Miguel Ruiz.

056-Ângelo Biazin – Pai do Cláudio Biazin (Pastor) e Avô João Biazin.

057-Alfredo Martins – Sitiante – Pai do José Martins (Zé Martins).

058-Antonio Guaita – Veio para derrubar mato e fazer dois ranchos - Pai da Rute Guaita.

059-Antonio Zequim – Sitiante - Avô do Edilson do Correio.

060-Joaquim José da Silva Filho (Quinzinho) - Farmacêutico.

061-Pedro Dias – Sitiante no Marumbizinho – Não tem mais ninguém em Jandaia do Sul.

062-Ídole Ferrari (O tio Ido) – Benzedor – Tio do Paulo Balarini.

063-Manoel Monteiro Teixeira – Pai do Gilberto Monteiro do cachorro quente.

064-Silvestre Murbach – Pai dos irmãos: José e Luiz Antonio Murbach.

065-Armando Amud – Pai do João Luiz Amud - Outubro de 42 – Agricultor do Marumbizinho - Padrasto da Professora Estephania Pintiá.

066-João Humberto Boti – Avô do Humberto do Escritório de Contabilidade 14 de dezembro.

067-Antonio Dorti – Pai da Terezinha do restaurante do Simões.

068-Otto Leopold – Fábrica de Moveis.

069-Antonio Batista – Sitiante do Marumbizinho – Pai do Zé Batista.

070- Amadeu Manfrim – Sitiante – Tio do Osvalte Manfrim da Casa Manfrim.

071-José Miguel Lopes Villar – Pai da Professora Emilia Lopes Rodrigues.

072- Anunciato Sonni – Foi por 17 anos o Primeiro Juiz de Paz de Jandaia do Sul, sem ganhar nada, Foi dono de um bar onde hoje é o Kikochinha - Pai do Sergio Sonni e avô da Professora Shirlene Pupio.

073- Nazareno Sonni – Foi dono de uma Máquina de beneficiar arroz e Sitiante – Pai de Nelson Sonni e Avô da Professora Helena do DEC, do Melão do Fórum e a da Professora Lucrecia Sonni.

074-Manoel Dias – Sitiante e depois foi proprietário de uma oficina de carroça, onde hoje é o bar do Laurindo, na Avenida Anunciato Sonni.

075-José Moia – Sitiante – Pai dos irmãos: Francisco e José Moia.

076-Vitório da Silva – Sitiante e depois foi dono de uma oficina de carroça na Avenida Marechal Cândido Rondon – Pai do Professor Manoel (Professor Manezinho).

077-José Darienso (Zé da Aliança) e Luiz Darienso – Sitiante e Comerciante – Avô e tio respectivamente da Rute Guaita.

078-Segundo Vicentin – Agricultor – Pai dos irmãos: Anésio, Inibio, Izedio Vicentin e outros.

079-Antenor Rodrigues Simões – Pai dos irmãos: Roberto Simões e do Dr. Antonio Simões.

080-Julio Alves Machado – Sitiante e depois foi para Bom Sucesso, ex-Padre.

081-Santo Campaner – Avô de José Campaner do Hospital Regional.

082-Luiz Vinholi – Morava muito próximo de Jandaia, na divisa com Cambira, fazia suas compras em Jandaia, na época. Para o povo, não se tinha muito certo onde era a divisa entre Jandaia e Cambira.

083-Antonio João Bizarro – Sitiante - Pai do Antonio Bizarro e Avô da Irene da Caixa Econômica.

084-Francisco Pio – Sitiante onde hoje é do Pedro e José Luiz Zan – Sogro da Helena Giacomine.

085-João Pereira da Silva – Sitiante – mais tarde alambiqueiro (Pinga Tigre) Pai da Terezinha e sogro do Adão Alves de Freitas.

086-José Mascote – Sitiante – Pai de Antonio Mascote e Avô dos irmãos: Luiz e José Carlos Mascote.

087-Joaquim da Silva Felix – Sitiante – Pai de Leopoldina da Silva Moretti que é Mãe dos irmãos: Marilza, Lincoln, José Carlos, Laerte e Marilda Moretti.

088-Santo Monfredinho – Sitiante – Pai do Artur Monfredinho (Tio Artur) e Avô do Aldo Monfrediho. Santo comprou a propriedade em 1938.

089-Alexandre Bonardi – Comprou 14 alqueires paulistas no km 04 – Estrada da Amizade – veio com três filhos: Eugênio, Julio e Luiz Bonardi. Alexandre é Avô de Elizeu, Antonio e Argemiro (Miro) Bonardi.

090-José Santa Maria – Proprietário de uma farmácia, que mais tarde a vendeu para o Sr. Damásio. O Sr. José é Avô do Gilberto Amauri de Godoy Filho (Giba, grande jogador de Vôlei da Seleção Brasileira).

091-Antonio Aleixo dos Reis – Sitiante e Oleiro – Pai de José Evangelista dos Reis (Sr. Juca) e Avô do Professor Geremias Reis – da Estância.

092-João da Costa – Sitiante no Distrito de São José – Pai da Professora Terezinha Lovo e Avô da Professora Sônia Lovo.

 

1943

 

093-Antonio Mikcza – Russo - Pai do Valdomiro Mikcza.

094-Miguel Navarro Candela – Espanhol - Pai da Trindade Navarro Miksza e avô da Professora Nanci Miksza.

095-Gerônimo Alves da Cruz (Gerominho) 135 alqueires onde hoje está a Cooperval – Pai da Divina Maria de Oliveira.

096-Onofre Claro Magalhães – Sitiante – Pai do Zé Magalhães.

097-Joaquim Neves – Caçador e matador de onça – km 03 – Estrada Velha para o Marumbi,

098-Francisco Franco – (Chico Franco) – Castrador de porcos – sempre montado em seu cavalo.

099-Francisco Pereira dos Reis – Sitiante do km 8 – Pai do Antonio do Colchão magnético.

100-João Savassa – Agricultor - Pai do Agenor e Avô do Miro Teston.

101-João Ortega Perez – Agricultor – Pai do João Ortega (Dão Ortega).

102-Antonio Batista – Pai do José Batista do Marumbizinho.

103- Brás Ortega Perez – Agricultor – Pai dos irmãos: João e Brás Ortega Camacho.

104-Otávio Panice – Pai dos irmãos: José e Osmar Panice que emprestou seu nome ao nosso Ginásio de Esportes.

105-Antonio Pires da Silva - Avô do Toninho Pires (Felipe).

106-Augusto Paião – Loteou a Vila Paião onde tinha uma chácara, e em sua homenagem a Câmara Municipal colocou o nome no local de "Vila Paião" e também a principal Rua da Vila, recebeu seu nome "Rua Paião".

107-José Barão - Veio como Carpinteiro, ficou muito rico. Não tem descentes em Jandaia do Sul.

108-José Dias – Pai do José Dias (Zé Dias) da Livraria e também Alfaiate.

109-José Miliati, – Avô da Professora Lourdinha do Kennedy.

110-Atilio Marcomini – Sitiante – Pai dos irmãos: Nelson, Chico, Santos e do Hermelindo Marcomini.

111-José Milani – Sitiante – Padrinho de Batismo do Professor Milton Lopes.

112-José Morales Sanches - Pai do Jonas Morales, Raphael Morales Sanches – Pai do Elizeu Morales e David Morales Sanches – Pai da Professora Cleide Costenaro.

113-José Borges – Pai dos irmãos: Geraldo, José e Iraclides Borges.

114-Rafael Garcia – Sitiante e Motorista de Táxi – Pai da Professora Maria Cancian (Professora Mariquita).

115-Agenor Cordeiro – Agricultor da Serrinha.

116-Cândido Franco–A família mora no sitio até hoje - Pai do João Alicio.

117-Manoel Fernandes – Foi dono da chácara do Zito Ex-Prefeito.

118-João Hernandes – Pai das Professoras: Neusa e Natalina Bedin Hernandes.

119-Antonio Retamiro – Primeiro dono da chácara que hoje é do Pinga Fogo.

120-José Candelossi – Motorista.

121-José Azzoni (Nenê) – Comerciante no Ramo de Pensão – Pai da Professora Elza Azzoni de Carvalho e Avô da Professora Luciene Azon.

122-José Jacob Sartori – Comerciante – Sogro do José Azzoni – Pensão.

123-Eulália – Agricultora- km 03 – Estrada Velha para o Marumbi – Mãe de Ernesto Butierri e Avô de Laércio Butierri.

124-Antonio Pompilho – Sitiante – Barro Preto.

125-João Marques da Silva, Pai de Nelson Marques da Silva – Formou café para o Sr. Antonio Alexandre (Toti) – Avô dos Irmãos: Maurilio, Marinalvo, Moacir e Maurício Marques da Silva. O Sr. Nelson está aposentado pela Prefeitura de Jandaia do Sul.

126-Antonio Fonseca e Silva – Fazenda de 150 alqueires no Distrito de São José.

 

1944

127-Eduardo Vida Leal – Pai do Dr. Marcelo, Dr. Eduardo e da Professora Eveli. Ele tinha uma loja de tecidos, onde hoje é a Caixa Econômica Federal.

128-José Moreira Prado – Foi empregado do Eduardo Vida Leal em 1944.

129-Manoel Garcia – Agricultor – Pai do Paulo Garcia.

130-Sebastião Francisco da Mota - Avô do Venceslau Santana,

131-Pedro Gonçalves da Costa, 28/11/1944 – Pai dos irmãos: Antonio, Aparecida, Sabina, Gonçalo da Costa e outros.

132-Nicola – Carroceiro.

133-Diego Lopes Ortega – Sitiante – Avô da Professora Emilia Lopes Rodrigues e do Professor Milton Lopes.

134-Antonio Bedin Sobrinho – Sitiante no Maracanã.

135-Julio dos Santos – Sitiante – dono da Propriedade onde hoje é o Jardim Morumbi – Pai dos irmãos: Antonio e Nelson – Cunhado do José Joaquim Augusto que é Pai dos Irmãos: Arnaldo Augusto e Clebio Augusto.

136-Luiz Bruneli – Sitiante – Pai dos irmãos: José, Raul, Alderize (Dona Nair) Bruneli.

137-José Cavalcante – Pai dos irmãos: Afonso e João Cavalcante – O saudoso José Cavalcante era um homem muito religioso – Quando estava perto de sua morte, de cama muito doente, se as pessoas começavam a chorar, ele dizia: não precisa chorar eu só vou morrer o dia do Sagrado Coração de Jesus, e realmente ele morreu nesse dia. Era um homem muito honesto e trabalhador.

138-Manuel Rodrigues da Costa – Sitiante – Pai do Benedito Rodrigues dos Santos.

139-Luiz (Luizão Carroceiro) - marido da Acácia, Sitiante onde mais tarde foi do Leontino Xavier.

140-Gildo – Carpinteiro - Morava onde hoje está á antena da Radio Jandaia.

141-Jacinto - Sitiante, depois vendeu para o Batista - Pai dos irmãos: Pedro, João Devechi. Hoje é o Mutirão.

142-Célio Hernandes foi Secretário da Prefeitura na época do Zito.

143-Américo – Corretor de terrenos (datas e sítios).

144-Armando da Silva – Sitiante – Pai do José alfaiate, sócio do Natalino Maximiano.

145-Mário Tintureiro – 1ª tinturaria de Jandaia – ficava ali onde hoje é a farmácia do Izaqueu.

146-Alfredo Vieira Borges – Sitiante, onde hoje é da família do Amadeu Tonin em São José – sogro do José Pereira (Zé da Gruta). Pai do seu Artur da Rapadura da Ampac.

147-Rogério Miliati – Sitiante na estrada da Amizade - Pai da Professora Lourdinha Miliate, esposa do Ciliomar da Radio Jandaia.

148-Maria Timóteo – Costureira – Cunhada do Paulo Correia (Paulo Celeiro).

149-Benedito Gregório Rodrigues de Moura.

150-João Batista Mortean – 1944. O Sr. João vive ainda em Jandaia do Sul.

151-Joaquim Silva Júnior, 28/01/1944 – ele gostava de fazer briga de galos. Seu Joaquim é sogro do Nelson Costenaro irmão do Antonio Costenaro.

152-Luiz Borim – Pai dos irmãos: João, Roberto Borim e da Professora Terezinha Borim.

153-Otávio Sonni, 28/01/1944 – Pai do Ademar Sonni.

154-Miguel Gonzáles – Avô do Professor Paulo Roberto de Almeida.

155- Joaquim Pinto – Agricultor.

156-Domingos Furlan – Era influente na política da época, pertencia ao PSD.

157-Os irmãos: Professora Cidinha, Bento, Manoel, Jordão, João Rodrigues Pereira – Tinham oficina Mecânica onde hoje é a Rádio Jandaia. O Jordão era Pai do Pereirinha do Depósito do Mané.

158-Santo Campaner - Sitiante – Pai do José Campaner (Zé Campaner), do Hospital Regional.

159-Hildo Travagin – Sitiante e corretor – Pai dos irmãos: Israel, Wilson (Titi), Idair e de Ismar Travagin do PAM.

160-Egidio Sversut - veio para um sítio que é da família até hoje – fica no km 08 da Estrada Velha para Marumbi. – Filhos: Reinaldo Adevalcir Sversut (Deva) e José Sversut.

161-Antonio Locoman – Empreiteiro na formação de lavoura de café – Pai de Elídio e Avô dos irmãos: Édson, Éliton e Marcos Locoman.

162-Joaquim Rodrigues de Oliveira – Pai de Antonio Rodrigues de Oliveira - Fazenda de150 alqueires no Distrito de São José.

1945

163-Batista Devecchi – Sitiante – Pai dos irmãos: João, Pedro e Carlos Devecchi

164-Basílio Coteske - Sitante.

165-Antonio Fonseca – Sitiante.

166-Paulo Mazorquim – Sitiante – Marumbizinho - Sogro do Pedro Batista.

167-Henrique Valério – Sitiante - Pai do Vergílio Valério Neto (Zoreia).

168-Francisco Geremias Teston – Chicão das Casas Populares - Sitiante – Tio do Sergio Borracheiro.

169-Antonio Rodrigues – Baiano – Sitiante.

170-Giacomo Segantini – Pedreiro - Pai do Professor Áureo Segantine

171-José Vicente Rodrigues (Pepe da Livraria Brasil).

172-Afonso e José Fantin – Sitiantes na Estrada da Amizade, nos fundos da igrejinha.

173-Martins Camacho – Sitiante e Vereador – Pai de Martins Camacho.

174-José Reguim – Sitiante.

175-Julio e Atílio Marcomini – Sitiantes km 03, Estrada Velha para Marumbi.

176-Manoel Garcia – Agricultor Pai de Paulo Garcia.

177-Os irmãos: Luiz, José e Julio Biazotto – Agricultores. O Julio era Pai da Lourdes e Avô do Clovis Biazotto.

178-Antonio Lopes – Agricultor – Avô da Neusa Brasileiro.

179-Henrique Valério – Pai da Josefa Valério Bedin e Avô da Prof. Shirlei, tio do Décio Valério.

180-Fausto Delalíbera – Pai dos irmãos: Florindo, Maurício, Lucia e Mauro Delalíbera.

181-Benedito Rosa Campos – Pai do Quirino, Oficial de Justiça.

182-Eloi – Baiano – Sitiante.

183-Irineu Tonin – Peão, Irmão do Alcides Tonin.

184-Sukeo Hirata - Sitiante e mais tarde comerciante - Casa Hirata – Pai do José Hirata.

185-Mário Perandré – Era dono de 50 alqueires, onde hoje é o Jardim das Flores.

186-Abílio Souza – Comerciante na saída para Mandaguari - Sua esposa era a Professora Alda.

187-Luiz Siriaco – Agricultor da Serrinha.

188-Cândido Vicente Arman - Pai dos irmãos: Pepe da Livraria e da Professora Lourdes Vicente Rodrigues, foi o primeiro oleiro de Jandaia, naquele terreno que hoje é da família do Dr Perseu.

189-Cristóvão Lopes Vilar – Tio do Professor Milton Lopes.

190-Primo Lepre – Ajudou a construir o Distrito de São José.

191-José Antonio Lopes Vilar – Pai do Professor Milton Lopes, que nasceu onde hoje é Jandaia do Sul, mas que na época era um povoado de Apucarana, e foi registrado em Mandaguari porque o picadão para se ir a Apucarana era muito ruim. Tantos outros fizeram o mesmo. Isto não era novidade na época.

192-João Bertoncello – Pai da Professora Terezina Bertoncello.

193-Primo Maioli - Pai dos irmãos: Jorge e do Primo Maioli.

194-Luiz Alberton – Pai do Antonio Alberton.

195-osé Rufino - Não tem descendentes em Jandaia do Sul, Depois do Rufino veio Artur Silva de 1950 até 1953. De 1950 viveu na mesma propriedade Domingos Batista (Sr. Domingos da bengala). Um senhor de muita idade que caçava com bodoque.

196-João Pavezi – Sitiante - Pai do Italino Pavezi.

197-Luiz Antonio dos Santos - maio de 45, ex-prefeito Zito - Pai da Professora Elaine.

198-Jacó Sartori – Sócio do Zé Barão - Pai de Hildebrando Sartori.

199-Hildebrando Sartori - Pai da Professora Norma Sartori. Depois se mudou para Marumbi.

200-Plácido Gaspar Colhado – Sitiante.

201-Virgilio Cavalaro – Agricultor – Pai do Arlindo Cavalari da Emater.

202-Diogo Ceciliano – Sitiante, perto da Cooperval – Pai do Vivaldo Ceciliano.

203-Salomão Abdala – Tinha uma Padaria.

204-Luiz Magon – Sitiante – Pai do Zé Magon do Cartório.

205-Benedito Marega – Tocava na banda de Jandaia – Esposo da Otilia que recolhe alimentos junto com a Professora Maria Laide, para o Hospital do Câncer de Londrina.

206-José Raul – São José – Teve uma grande importância no desenvolvimento de São José e de Jandaia do Sul – Pai da Doroti, Dejaira, Diva e outros.

207-Aquilino Rojo – Restaurante Ouro Verde e mais tarde uma Padaria na Vila Paião, onde tinha mais casas que no centro da cidade – Pai dos irmãos: Rubens, Orlando, Rui e da Didi Rojo esposa do Geraldo Barbieri.

208-Simplício Domingues de Faria – Sitiante.

209-Luiz Falzzirolli – Sitiante – Pai do Emygdio Falzirolli e Avô do Dejanir Mazzi Falzirolli (Gordo de Fábrica de Móveis).

210-Porfírio Antonio Calixto – Sitiante e depois dono da venda do km 03 – Estrada do Marumbizinho e ainda Motorista de táxi – Pai do Divaldo Calixto.

211-Augusto Germojeschi – Foi empreiteiro do Sr. Nelson da Loja – Pai dos irmãos; Adelino que é Pai do João Germojeschi do PAM e da Dona Hermelinda, Mãe dos Irmãos: Orlando Décio e Osmar Mareze.

212-Ernesto Farias de Moraes – 48 alqueires de terras, onde hoje é do Dr. Luiz Taborda (Luis do Laboratório São Luiz) – Pai do José Farias de Moraes (Ex-Vereador) e Avô das irmãs: Débora e Judite de Moraes.

 

1946

213-João Malacrida – Sitiante e Comerciante - Pai de Nelson Malacrida e Avô do Jefersom Malacrida.

214-Damásio Gomes de Brito – (maio de 46) Sitiante e um dos farmacêuticos mais responsáveis de Jandaia em sua época.

215-Odílio Pereira – Armazém de Cereais - Tio dos irmãos: Nelson Andrade e da Professora Maria Joana Andrade.

216-Ângelo Ceciliano – Sitiante, onde hoje existe uma borracharia, na entrada do Distrito de São José. - Pai dos irmãos: Pedro e Nelson Ceciliano e Avô dos irmãos: Ivo e Célio Ceciliano.

217-Luiz Marconi – O Patriarca da família da Casa São Paulo, Comércio que existe até hoje – Pai dos irmãos: Gentil e Juraci Marconi – Avô dos irmãos: Áureo, Cláudio e João Luiz Marconi.

218-Guilerme Bardi – Funcionário Público - Pai da Professora Maria Laide.

219-Antonio Pereira Machado – Pai da Dona Luzia do Ferro Velho e Avô do Édson Machado – Foi dono da Fazenda (46 alqueires) que hoje é da Família do Dr. Perseu.

220-José Medeiros de Araújo - (24/06/46) Comerciante.

221-Luiz Possebom – Sitiante e um dos fundadores do Asilo São Vicente de Paulo.

222-Os irmãos: João, Antonio, Vitório, Ulisses e a Profesora Jandaira Fiorucci – Agricultores e depois comerciantes que são até hoje – Casa Fiorucci.

223-Firmo Dias Paz – Comprou o terreno em 1938 - Pai dos irmãos: Firmo, Alfredo, José e Jorge Dias. Família muito grande em Jandaia do Sul.

224-Guilherme Pedro Azolini – Sitiante – Comprou a propriedade em 1941 - Pai dos irmãos: Isauro, Ágide, Orlando Azolini.

225-Kanek Sakamoto – Pai do Tacaci Umekichi Yamaguchi – Máquina de Arroz.

226-José Maria de Paula - Pai do Seu Nenê da Farmácia.

227-Francisco Navarro – Pai do Salvador Navarro – Não tem descendentes em Jandaia.

228-Irineu Tonin – foi Promotor de Justiça aqui em Jandaia do Sul.

229-Guerino Romani – Sitiante - Pai do Prof. Edward Romani.

230-Gregório Rodrigues (Nenê Rosa) – Sitiante, Pai dos irmãos: José, Lauro e Luis Rosa.

231-Antonio Manfrin – Sitiante - Pai do Osvalte Manfrin.

232-Ângelo Borim – Sitiante – Pai do Osvaldo Borim e Avô do Mauricio Borim.

233-Família Farinazzo - Sitiantes na estrada da Amizade - Família muito grande e bem conceituada em Jandaia.

234-Amadeu Tonin – Fazendeiro em São José.

235-Os irmãos: Celestino e João Cabrera Sanches – Secos e Molhados e um Sitio - mais tarde um Jeep de aluguel – João Cabrera era Pai do Salvador Cabrera da Faculdade.

236-Malagi Aquiles – Sitiante - Avô do Zé da Gruta.

237-João Umbelino - Sapateiro – Pai dos irmãos: Nival e Edival Umbelino.

238-Luiz Valério (Luiz Bioti) – Sitiante do Maracanã – Pai dos irmãos: Genésio e do José Valério.

239-Pedro Malavazi – Sitiante – Pai dos irmãos: Dario, Valdemar, José, Raul, Dorvalino e Laurindo Malavazi.

240-José Joaquim Augusto – Sitiante – Pai dos irmãos: Arnaldo, Clebio Augusto.

241-Fidelis Mareze – Sitiante – Avô dos Mareze da oficina de funilaria.

242-Joaquim Ventura – Sitiante – Pai da Cida do Tonhão e Avô da Érica.

243-Roberto Borim – Sitiante, Poceiro, Bicicleteiro. Ajudante gratuitamente de Coveiro quando dele precisavam - Pai da Professora Neusa Borim.

244-Eugênio Calixto – Pai das Professoras Neusnadir e Neusa Calisto – Tinha uma venda de Secos e Molhados – Depois trabalhou no DST (Departamento de Serviço de Trânsito) e mais tarde chefiou a Defesa Sanitária do nosso Município.

245-José Lucas Marques – Sitiante – Pai de Valentim Marques.

246-João Swiatek – Carpinteiro e Diarista na zona rural – conhecido por João Polaco. Pai de Antonio Santek (Mecânico).

247-Antonio Gusman - Pai do Marino Gusman – Sitiante vizinho dos Sversut do Cláudio Raimundo e dos Cariocas que um deles é pai da Leia, sogra do Carmo Costa.

248-"Os francanas", apelido que se deu por serem oriundos de Franca/SP – Antonio Peris Martins – Tinha uma Venda de Secos e Molhados, onde hoje se localiza a residência do saudoso Professor João Maximiano, o seu comércio se estendia até a esquina - Pai da Tita Costureira, ou seja, Maria Peris Padilha, uma das melhores Costureiras da época - casada com Hildebrando Pontara, Pai de João Pontara, também outro pioneiro de Jandaia.

249- Serafin Peris Cruz – Sitiante do km 03 – Estrada velha para Marumbi.

250- Thomas Peris Martins – Arrendatário de José Peris Rodrigues.

251-Francisco Brione (Chico Brione) - Topógrafo. Aposentado pela Prefeitura - Pai de Elza e Leonel Brione.

252-Domênico Dario – Bilheteiro, Garapeiro e Mascate – Pai de Natercia Dario Sitta.

253-Luiz Antonio Calixto – Comerciante no ramo de Secos e Molhados em frente á Casa São Paulo – Pai de Eugênio Calixto e Avô das Irmãs: Professoras Neusa e Neusnadir Calixto.

254-José Florindo Bocato – Carroceiro na Vila Paião.

 

1947

255-Antonio Cruz Silvestre, Comerciante no ramo de Sapataria.

256-Manoel Amaral - Pai do Manoel Guimarães, o conhecido, Manoel PAG.

257-Ana Amaral - Irmã do Seu Amaral.

258-José Sperandio - Proprietário do serviço de Alto-Falantes de Jandaia.

259-Luiz Magon – Pai do José Magon do Cartório.

260-Dionísio Alves da Silva – Agricultor, Pai do José Alves da Silva -1º dono da chácara da mina, hoje é do Seu Hermínio Vinholi.

261-Marcos Andreo Valério – Sitiante – Pai do Clebio Andreo Valério, alfaiate.

262- Sebastião Manuel dos Santos – Sitiante – Pai do Antonio dos Santos - Pedreiro.

263-Antonio Todisco - Sitiante e Comerciante.

264-Aldo Tonin – Empregado no Comércio, mais tarde motorista de Táxi – Pai do Osvaldo Tonin

265-Jesuíno José Dias – Alugou um rancho no patrimônio até ir para o sitio – sogro do José Boava e Pai da Zélia Rodrigues da Silva.

266-Antonio Vilar Garcia – Sitiante – Divisa de Cambira com Jandaia - depois trabalhou no Banespa por muito tempo – Pai da Maria de Lourdes Vilar Morales, Sogro do Elizeu Morales.

267-Benvindo Rodrigues da Silva – Sitiante – Cunhado e Primo da Professora Celina e Tio das irmãs: Professoras Márcia e Miriam Fajardo.

268-João Martins Martinez – Sitiante e mais tarde Carroceiro – Pai da Dona Joana Martins Bizarro esposa do Seu Antonio Bizarro.

269-José Biazin – Sitiante. Pai do Pedro e do Manoel Biazin.

270-Jordão e Professora Cidinha Pereira Rossi – Mãe do Vilmar e do Wilsomar Rossi.

271-Francisco Pineda Ocanha – Sitiante. Pai dos irmãos: Manoel, Francisco, José e Jaime Pineda Velência.

272-Armando Milian Herrero – Sitio em São José – Água do Bagre – Pai de Edílson de Lima Milian.

273-João Moretti – Pai dos irmãos: Ângelo, Hermínia e Luiz Moretti e Avô dos irmãos Marilza, Laerte, Marilda, Luiz Carlos, Aparecida e Lincoln Moretti. Seu Luiz Moretti foi fundador da Congregação Mariana de Jandaia do Sul, no tempo do Pe Antonio Look.

274-Ângelo Bazan – Foi formar café (Peão) para o Nelson Sonni – Pai de Miro, Osvado e Mauro Bazan.

275-Carlos Romano – Sitiante – Última Propriedade da Estrada Barrosa.

276-José Pozza – Pai de Abílio José Pozza e avô de José Carlos Pozza Neto.

277-Sebastião José de Freitas – Chacareiro e mais tarde doceiro – Pai dos irmãos: Marinete, Aparecido, José Carlos e Luiz de Freitas. Este Senhor era cunhado do Zito Ex-Prefeito.

278-José Maria de Paula – Pai de Lázaro de Paula Rodrigues – Foi Cirurgião Dentista e Farmacêutico, que depois deixou a Farmácia para o Lázaro de Paula Rodrigues (Seu Nenê)

 

 

1948

279-Genésio Pires Ramos – Pai do Dr. Carlos Romeu Ramos. O Dr Carlito da Câmara de Vereadores e Sogro da Professora Eveli, querida por todos.

280-Bruno Rigon – Sitiante - Pai da Bianca e do Mario Rigon.

281-Emilio Borgato – Proprietárioda Venda do km 03, e naquele tempo tinha muita gente na Zona Rural – Pai da Rosa Borgato e Avô do Cristiano Jesus Maranho, Juiz de Basquete.

282-Pedro Zanardi – Sitiante e Sanfoneiro.

283-João Tasso – Sitiante – Avô do Professor Ítalo Tasso.

284-Plácido Caldas – Gerente do Banco Curitiba por 9 anos.

285- José Miote – Empreiteiro na Zona Rural.

286-José Cardoso – Comprador de galinhas – o Zé galinha – Pai da Laura Cardoso, Avô do Carlos Cardoso e do Fernando da Rádio Jandaia.

287-José Moreno Bonilha – Sitiante e mais tardes colocou uma casa de calçados - Pai do Sergio e do Zé Luiz doceiro.

288-Mário Ribeiro da Silva (Mario Sapateiro) – Poceiro – Depois sapateiro - Pai do Divino Alfaiate e funcionário do Supermercado São Francisco – O Sr. Mário era esposo da Dona Percilia Benzedeira.

289-Vicente Lachimia – Agricultor - Pai dos irmãos: João, Vicente, Antonio e Armando Lachimia.

290-Alcides Tonin – Funcionário aposentado da Prefeitura.

291-Antonio Geraldo Balarini – Sitiante.

292-José Alves – Cunhado da Professora Maria Joana e do Nelson Mecânico.

293-Massao yoshihara – Máquina de café.

294-José Parra Morrilhas – Comerciante.

295-Noel Rosa – que foi morto a facadas, mais ou menos, em frente á frutaria do João Luiz Amud.

296-Pedro Leme Santana, Ficou um mês em Jandaia e foi para Kaloré, onde tinha comprado uma propriedade rural. Kaloré também era Jandaia – Pai dos irmãos: Laércio e Renato Santana. Hoje residem em Jandaia – são comerciantes de móveis.

297-Vicente Pupio e Milton Pupio – Vieram como peões - Derrubadores de mato e formadores de café – Avô e Pai do Ditão Pupio respectivamente.

298-Jácomo Stábile – Agricultor, foi Delegado, Juiz de Menor – Pai do Arlindo Stabile,

299-Domingos Posteraro – Pai do José Posteraro que mora em Jandaia. O Sr. Domingos gostava de criar porcos, era um homem muito respeitado no município de Jandaia e região.

300-Sebastião José Pereira – Pai da Leila da Prefeitura.

301-Leontino Xavier, Ex-sogro do Empresário da confecção, Túlio Turke e Pai das Professoras Eva e Iolanda Xavier e do MigueXavier.

302-José Ovídio Marques (Zé Mineiro) - Sitiante – Pai do Tonhão Leiteiro (Antonio Vicente de Aguiar) e Sogro do Laurindo do Bar. Na saída para o Vale do Ivaí.

303-Pedro Gardin – Sitiante – depois Bar Cambará – Pai dos irmãos: João e Antonio Gardin e Avô dos irmãos: Antonio Luiz Gardin e Geraldo Gardin.

304-Antonio Rufino – Sitiante - tio do Pedro Rufino da Silva.

305-José Rufino – Sitiante – A Primeira propriedade depois do Jardim Nova Jandaia.

306-Olessio Valentin Zan – Sitante – Estrada da Amizade - Pai de José Luiz Zan.

307-Pedro Zan – Estrada da Amizade – Pai de Pedro Valentin Zan.

308-Porfírio de Souza – Sitiante – Pai da Clarice da Prefeitura.

309-João Geovane Bertoli – Sitiante - Pai de Orlando Bertoli, Avô Altair Aparecido Bertoli – Bisavô dos irmãos: Altair, Rosângela, Marcilene e Giseli Aparecida Bertoli. Tataravô (Tetravô) de Alisson Geovane e Andressa Viviane Bertoli.

310-Agostinho e Professor Roberto Chaves – Sitiantes.

311-Geraldo Tonin – Empregado do João Pagliarini, Hermínio Vinhole, Hermelino Rainato (Chaxá), e depois Sanepar. O Geraldo Tonin é Pai de Maria de Lourdes (Lurdinha) e Avô do Leandro e Aline Pupio.

312-Ângelo Boldrim – 25 alqueires de terra no km 18, no Canutã – Estrada para Bom Sucesso - Pai dos irmãos: Avelino e Arlindo Boldrim e Avô dos irmãos: Valdecir, Mauro, Aparecida, Maria e das irmãs: Claudinéia e Édna e Elza Boldrim.

 

1949

313-Guilherme Pontara - Comerciante no Ramo de Hotelaria – Pai dos irmãos: José Wilson Pontara (Tim Pontara), Wilton José Pontara (Issam Pontara) e Cláudio Pontara (Mito Pontara).

314-Arlindo Barroco – Sitiante.

315-João Arânega – Sitiante – Humaitá/Marumbizinho,

316-Dorvalino Francisco da Silva Filho, Lindolfo Francisco da Silva – Sitiantes.

317-José Augusto Pelatti (Zé careca) – Foi dono do Vidros Povo.

318-Miguel Abrão Pai da Dra. Tereza Abrão – Tinha uma loja de tecidos onde hoje é a Casa de Doces.

319-Valdemar Pupio – Veio ajudar o Pai (Vicente Pupio) formar lavoura de café.

320-Valdemar Fernandes Costa (Mazico), sitiante.

321-Manoel Costa – Oficina de Folheiro – Pai da Professora Telma Costa Neiro.

322-Atilio e João Bertoncello – Tio/Pai respectivamente da Professora Terezinha Bertoncello.

323-Benjamim Ferreira Neto – Peão, Saqueiro - Pai do Alex Ferreira.

324-Guido Benvelac – Sitiante.

325-Ana Pereira de Lima Cavassani – Comerciante – Mãe do Benedito Aparecido Cavassani (Dito Peludo).

326-Antonio Biral – Sitiante – Pai do João Biral Neto.

327-Laurindo Daldoso – Sitiante – Pai do Valdemar Daldoso, Avô da Rose e Bisavô da Manu.

328-Ercílio Lovo – Sitiante – Pai do Cláudio e do Vinícios e Avô da Simone.

329-José Ribeiro Sobrinho (Joza do trânsito) – Auxiliar do DST (Departamento de Serviço de Trânsito) – Pai de Joselice Gomes.

330-Segundo Costenaro – Zona Rural, Residia na Serrinha – Homem muito culto – Foi Professor por satisfação de ensinar, sereno na fala – Pai do Costenaro da Radio.

331-Pilade Sita – Veio para a Cidade e o filho Valdemar Sitta ía trabalhar na roça.

332-Miguel Pedro Carrasco – Sitiante – Pai dos irmãos: Marcos e Pedro Carrasco que residem até hoje no Canutã e Barro Preto. Cultivam uvas.

333-Aparecido Pereira (Cidão da Princesa). Foi Colono na Fazenda São Jorge – Pai do Chumel Pintor.

334-Oswaldo Morais – Agricultor – quilômetro 08, Pai de Tereza Morais, hoje ele vive na Rua das Violetas nº. 05 no Mutirão 1.

335-Antonio Fortunato ele foi o químico da Fábrica de Refrigerantes Beija Flor - Pai dos irmãos: Gercídio e Lairton Fortunato.

336-Leonardo da Silva – Sitiante – Pai do Pedro Rufino da Silva, funcionário da Jamel.

337-Ederlindo de Oliveira Barros – Sitiante – Pai de Tercilia de Oliveira da Silva e Avô de Mauricio Marques da Silva.

338-Mário Sabag chegou à Jandaia em 1949, Sitiante e comerciante.

339-Manoel Barros – Comerciário - Pai dos irmãos: Marli, Marlene, David (Godo) e Alfredo do Banestado.

340-Ângelo Fávaro – Sitiante, - Pai de Valdemar, Antenor, Artur que é pai do Claudnei do Café Jandaia, Américo que é pai do Sidnei também do café Jandaia.

341-Eugênio Rômulo Favaro – Pai dos irmãos Antonio, Alice e Teresa Favaro, Avô do Marcos Antonio Favaro.

 

1950

342-Amadeu Tonin – Fazendeiro em são José.

343-Domingos Andrade - Sitiante - Pai da Professora Maria Joana Andrade.

344-Esperidião Parentes de Miranda – Veio colher café como empregado, após um ano montou um Armazém de compras de cereais – Pai do Professor Miranda.

345-Fálide Malavazi – Preso pela Ditadura Militar – Pai dos irmãos: Zilda, Arnaldo e Nelsinho Malavazi.

346-Alma Dick Turke – Hotel Comercial – Em frente à Igreja Matriz, Rua Pe João Barbieri esquina com a Rua Senador Souza Naves – Mãe dos irmãos: Dorvalino, Ivalino, José Arno e Túlio Turke.

347-Salim Elias – Cunhado da Tereza Abrão e esposo da Julieta – Foi Proprietário do Restaurante Líder Bar – Em frente a Padaria Barreiros onde hoje é o Bocha do Professor Biral.

348-José e Armindo Maculam – vieram como peões na colheita de café.

349-Geraldo Bianezi, Agricultor (Trabalhou para os Campaner) e depois foi Corretor de imóveis.

350-Ângelo Albergoni – O seu Angelim da Antártica.

351-Miguel Sitta – Colocou uma venda de Secos e molhados.

352-Domingos Evangelista – Sitiante – Pai dos Irmãos: Antonio e Sebastião Evangelista.

353-Debrair Médola – Fábrica de Carroças e Charretes – Pai dos irmãos: Mari, Mariza, Roberto e Ricardo Médola.

354-Amaro Finco – Fábrica de Carroças e Charretes – Pai do Marival Finco da Jamel.

355-Adelaide Chaves Pimenta – Costureira – Mãe de Dirceu e Célio Pimenta que era engraxate.

356-Benedito Miguel Vieira (Senhor Dito) – Morava em Jandaia e tinha um sitio em São Pedro do Ivaí – Pai do José Aparecido Vieira (Maraca) que era eletricista de Carro mais tarde montou sua própria Auto eletro.

357-João Pilan – Empreiteiro do Jácomo Stábile – Sitio no km 04 da estrada da Amizade – Pai de Nelson Pilan e Avô dos irmãos: Juciel, Jair e Jande Pilan.

358-Geraldo Farinazzo – Comprou um Posto de Combustíveis, aquele onde hoje é a Radio Jandaia.

359-José Gonçalves (Zé Carmelo) - Fazia de tudo um pouco, principalmente Carroceiro. Morava na Vila Santo Antonio.

360-Armando Missassi, comprou 18 alqueires no km 18 da Estrada de Bom Sucesso – Pai de Alceu Missassi e Andréia Missassi de Moura.

 

 

1951

361-Lino Marquetti – Primeiro Prefeito de Jandaia do Sul – Já como candidato a Prefeito e ganhou a eleição – Irmão da Dona Leonor Marquetti Caldas e Tio do Plácido Caldas Filho (Cidinho do Cicredi). Lino conhecia Jandaia desde 1948.

362-Jorge Felipe – Agricultor – Pai do Toninho Felipe.

363-Otávio Tarosso – Pai da Professora Mercedes Tarosso, Américo Tarosso – Pai do Professor Gervásio Tarosso, Antonio Rabassi – Pai do Elcio Rabassi e Valério Rodrigues dos Santos – Pai do Valdir Rodrigues dos Santos. Eles eram Comerciantes no Ramo de Posto de Combustíveis.

364-Clovis Raimundo Marcolino – Pai de Carlinhos Marcolino.

365-Antonio Bovo – Carpinteiro – Pai do Antonio Bovo Filho, que tem uma confecção em frente ao PAM.

366-Francisco Pereira de Castro – Sitiante – Pai dos irmãos: Vicente, Geraldo Castro e outros,

367-José Ferreira – Empregado dos Brunele no km. 03 – Pai dos irmãos: Bento e Francisco Ferreira e Avô do Eraldo da Eletro Técnica Ferreira, da Sandra do Chupeta da Radio e da Professora Luci Ferreira.

368-Ilecio Heckert – Sitiante e Comerciante - Pai dos irmãos: Dr. Ilecir, Dr. Inei, Drª Maria José e Professora Elzi Heckert.

369-Manoel Caldeiras – Barbeiro, mais tarde Comerciante (Depósito do Mané).

370-Geraldo Alexandre de Lima – Sitiante – Pai do Dr. Paulo Gomes de Lima.

371-Felício Farinazzo – Sitiante na Estrada da Amizade.

 

As pessoas da lista abaixo, eu não consegui saber o ano que vieram para Jandaia. Alguns são mais novas de Jandaia, mas também podem ser consideradas fundadoras.

Joaquim Justino de Lemos, Elicio Fernandez Antonio, Geraldinho Vês, Julio Machado, Amadeu Scarabell, João Francisco de Azevedo, Fortunato Rodrigues da Costa, Antonio de Paula, Aparecido Teodoro, João Ramos, José Geraldino Nante, Sebastião Líbano, Remigio Francisco Cassoli, Antonio Mendonça, Joaquin Fermino da Rocha, Ambrozião era um Preto Valentão, Antonio da Jóia, Jamil Aldi, Vicente de Paula Andrade, Andreaci, Manuel Alves, José Aguiar, Sebastião Adão Amaro, Mario Salomé Campos, Nei Cavalini, Mario Domingues, Ângelo Ferrari, João Souza Ferreira, Paulo Giraldi, Manoel Garcia, Alécio, Otto Hartmuth, João Espanhol (Sogro do Isauro Azolini), Senhorinho Lima, Francisco Máximo vulgo Chico Chuvarada, Avelino Nogueira o Nana - 1953, Orlando Nardi, Genésio de Souza Neves, Thimóteo Gomes Oliveira, Antonio Pereira – Pai do Dr. William, Luiz Pereira, Manuel Rodrigues – Pai do Toniquim, Mario Ramos vulgo "Mario Cateto", Família Francisco Rocha – Taxista, Augusto Rocha – Encanador, André Romagnoli, Francisco Dias de Souza – Leão, Antonio Moreno Souto, Mario Sadi, José Estela, Anastácio Rosa Toledo, Antonio Tomé, Irineu Tonin, Zequinha e Malico Alfaiates, José Antunes, Julio Euzébio, Manoel Arânega, Antonio Galera, Antonio Ribeiro, João Cândido Ramos-Pai do Helio Cândido Ramos, José Mariano Neto. Tokunori Hashimoto – 1954 - Cerealista – Casa Paz (Sr. Morya)

(Foto 21)

Praça do café em 1960

 

É interessante também não se esquecer de alguns Comércios que existiam no início de Jandaia, ano de 1951:

001-Hildebrando Pereira Camargo - Comerciante de tecidos – Onde hoje é o Fifa Tintas. Foi também Presidente do PSD,

002-"Gato Preto": Era um Bar e Churrascaria - Onde hoje é a Casa São Paulo (na esquininha). O seu Primeiro dono foi João Vieira de Sá, depois foi dono o Pai do Seu Pepe da Livraria (José Vicente Rodrigues), o Seu Cândido Vicente Arman.

(Foto 23) (Foto 24)

Da direita para a esquerda: O primeiro sem chapéu Construindo a rede de esgoto e meio fio,

É o Mário Danna e o último é o Zito e seu filho em frente à Casa São Paulo. Serviço para

Luiz (Zinho). asfaltar a rua.

003-Casa Vitória – Tecidos – Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

004-Escritório de Contabilidade Estrela do Norte de Urbano N. Queirós.

005-Brasil Foto – Rua Guarujá, hoje Rua Senador Souza Naves.

006-Casa São Paulo – Secos e molhados – de irmãos Marconi - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

007-Casa Milaneza - Calçados, Armarinhos, Roupas etc. – Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

008-Serraria Santa Terezinha – Santo Sonni e Irmãos.

009-Bazar e Papelaria Paratodos – José Dias Filho - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

010-Sarraff – Roupas feitas e Armarinhos - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getulio Vargas.

011-Casa Brasil – Secos e Molhados - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

012-Casa Silveira de Benedito Cesário Silveira - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

013-Casa Electro Rádio – Consertos de Rádios e Dínamos - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

014-Bar Caçula de Suzano Alves terra - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

015-Bar Urca de kinji Taguchi - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

016-Quitandinha Ouro Verde - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

017-Casa São José de José Vanzo - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

018-Casa Santo Antonio de Arlindo de Souza Machado - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

019-Casa Nova - de Pedro Catâneo – Avenida da Paz, hoje Avenida Dr. Tancredo Neves.

020-"Buraco da Onça" Bar e Restaurante de Miguel Angerosa, mais tarde foi dona a Senhora Dorcelina, ficava onde hoje é o HSBC na Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

021-Casa dos Retalhos - de Naim Abrahm - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

022-Alfaiataria Imperial - de Francisco M. Kawbata - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

023-Bar Ipiranga - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

024-Casa de Saúde e Maternidade do Dr. Casimiro - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

(Foto 25) Mostra o Hospital do Dr. (Foto 26) Mostra um trator tirando a terra

Casimiro, Pai da Mãe da Drª. Teresa do terreno onde hoje é o Hospital Nossa

Cristina. Era onde hoje é a Lanchonete Senhora de Fátima do Dr. Jerônimo.

Modelo. (Igualando o terreno com a rua rebaixada)

025-Padaria Central – Bar e Café Paulista do Mario Roque Scandalo _ Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

026-Dr. Ubirajara Wendt da Costa –Cirugião Dentista – Prédio do Vavá - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

027-Funilaria Costa de Manoel Costa, Pai da Professora Telma Costa Nero – Rua Lacerda, Hoje Dr. Clementino S. Puppi.

028-Bar Cinelândia – Rua Guarujá, hoje Rua Senador Souza Naves.

029-Bar Luzitânia de José Rodrigues do Espírito Santo - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

030-Casa das Fábricas de Tuffy Abrão – Chapéus Ramenzoni, Camisas e Meias - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

031-Maquina Jandaia de Kaneki Sakamoto – Benefícios de Arroz – Rua Botucatu hoje Joaquim José de Almeida Filho (Quinzinho).

032-Empório Amaral - de Manoel Amaral Guimarães – Secos e Molhados - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

033-Instalação de Rádio Luz - de Bartolomeu Danna - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

034-Bar Brasil - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

035-Empresa Rodoviária "Jandaia do Sul" de Lino Marquetti – Linhas para Bom Sucesso, Columbia, Ivaí, Vila Rica e Barbosa Ferraz.

(Foto 27)

Este era um dos ônibus da Empresa Rodoviária do Lino Marquetti, o de nº. 5.

036-Empresa Rodoviária Santa Terezinha - de Valentim Fernandes da Silva – Linhas para Marumbi, Bom Sucesso, Ivaí e Maringá.

037-Casa Gaúcha de João Vieira de Sá – Calçados em Geral - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

038-Olaria São José de Anunciato Sonni

039-Hotel São Paulo de João Leite - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

040-Bar Cambará - de Umberto Guaita, Avô da Rute Guaita - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

041-Casa Jandaia de Paulo Kitazawa – Secos e Molhados - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

042-Bar do Ponto - de Ângelo Albergoni - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

043-Casa São José – de José Barão Filho e Cia. Ltda. Secos e Molhados e Materiais de Construção - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

044-Sapataria Marilia de Ranulfo G. Araújo - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

045-Casa Verde - de Kosaku Mizumo - Rua Guarujá, hoje Rua Senador Souza Naves.

046-Casa Azul – Secos e Molhados de T. Yassaka e Irmãos - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

047-Oficina Santa Terezinha – Mecânica de Automóveis de Irmãos Farinazzo Ltda.

048-Cartório de Paz e Anexos de Genésio Pires Ramos – Rua dos Patriotas.

049-Casa São João – Ramo de Secos e Molhados de Antonio Menegazzo - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

050-Livraria e Papelaria São José - de Vilaverde e Gutierrez - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

051-Casa Minas de Secos e Molhados de João Pedro Evangelista - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

052-Farmácia São João - de Damásio Brito da Silva - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

053-Cerealista - de Irmãos Parra – Rua Cantareira, hoje Rua Professor Roberto Resende Chaves,

054-Destilaria Beija-flor de Irmãos Leonardi - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas, onde hoje é o Depósito do Mané.

055-Farmácia Santo Antonio - de José Maria de Paula e Cia. Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr.Getúlio Vargas.

 

(Foto 28) (Foto 29)

Foto nº. 28 mostra a farmácia (Santo Antonio) do José Maria de Paula – Pai do Lázaro de Paula Rodrigues (Seu Nenê). A foto nº. 29 mostra a mudança da Farmácia de madeira para alvenaria. Era onde hoje é hoje o Restaurante do Seu Nenê.

056-Oficina Mecânica - de Tavasso, Rabasse e Rodrigues, Ltda. – Avenida da Paz, hoje Tancredo Neves.

057-Alfaiataria Progresso de Orivaldo Vieira - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

058-Hotel Belo Horizonte – de João Enseki, mais tarde de Ângelo Albergoni - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

059-Dr. Manoel Ribeiro Ferraz – Médico.

060-Casa Ubatam – de Hildebrando P. Camargo – Tecidos, Calçados e Armarinhos em geral - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

061-Alfaiataria São Paulo – de Massami Mori – Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio.Vargas.

062-Casa União - de João Fiorucci – Secos e Molhados - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio.Vargas.

063-Mercearia São José – de Petrellime Montanher - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. GetúlioVargas.

064-Casa Rosa – de Benedito Rosa Campos – Tecidos e Armarinhos – Largo da Igreja Matriz.

065-Frutaria São João – de Ramão Carracosa – Rua dos Patriotas.

066-Sapataria Cruzeiro - de João Umbelino de Souza – Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

067-Bar Mineiro – de José Moreira Dias - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

068-Alfaiataria Barreiros – de Antonio Barreiros e Filhos - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

069-Maquina São João – Benefício de Arroz – de João Pedro Rech.

070-Casa Sâmara – Tecidos e Armarinhos em geral – de Salim Sâmara - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. GetúlioVargas.

071-Casa Barateira – Tecidos e Armarinhos em Geral - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

072-Casa da Lavoura – Secos e Molhados - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

073-Pensão Bom Sucesso - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

074-Pensão Jandaia – de José Guerino - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

075-Selaria São Paulo – de Paulo Antonio da Cunha - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

076-Casa Rádio – de Antonio Dias de Almeida - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

077-Oficina Progresso – de Vicente Arambul Gadea e Cia.- Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

078-Açougue Bela Vista – Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getulio Vargas.

079-Casa Santa Cruz – de Francisco M. da Cruz - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

080-Casa Preferida – Calçados, Chapéus, Roupas Feitas e Miudesas - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

081-Irmãos Navarro – Compradores de Cereais - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

082-Escritório Comercial e Contábil "Nossa Senhora Aparecida" – de Edmundo S. de Barros – Bar do Vavá - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

083-Dr. Muniz de Aragão – Advogado - Bar do Vavá - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

084-Oficina Santo Antonio – de João Malacrida – Carroceria e Mercearia - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

085-Destilaria Jandaia Ltda. – Rua Botucatu, hoje Joaquim José de Almeida Filho (Quinzinho)

086-Paroquial Santa Lucia – Funerária – Largo da Igreja Matriz.

087-Casa Mineira – Secos e Molhados – de Francisco F. Teixeira.

088-Pensão Trovão – de Francisco Trovão, Pai do Zé Trovão - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves.

089-Bar e Sorveteria Tupã – Largo da Igreja Matriz.

090-Casa Francana – Bar e Miudezas - Rua Guarujá, hoje Rua Dr. Senador Souza Naves. 091-Oficina N.S. Aparecida – Carroças, Charretes etc. – de Finco e Médola Ltda. - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

092-Máquina Santa Maria – Benefícios de Arroz – de Santo Sonni e Irmãos.

093-Líder Bar: Era o Bar mais famoso de toda a região, isto é de Apucarana / Mandaguari ao Vale do Ivaí, Este Bar chegou a sair no guia 4 (quatro) rodas como um dos mais badalados da época. Não tem mais descendentes em Jandaia

094-Manoel Trigueiro Quimarães e José Jacob Sartori - Tinham uma fábrica de guaraná que pegou fogo e devorou tudo – as chamas chegavam a uma altura de 200 metros, pois estava cheio de tambores de óleo,

095-Bar e Sorveteria do Fausto Delalíbera, Pai do Florindo, do Maurão, da Lucia e do Maurício Delalíbera.

096-Armazém do Tonhão, Saída para o Vale do Ivaí.

097-Casa Manfrim do Antonio Manfrim – hoje é do Osvalte Manfrim – existe até hoje na Avenida Marechal Cândido Rondon.

098-Bar e Sorveteria do Cândido Arman – Pai do Pepe da livraria e da Professora Loudes Rodrigues.

099-Farmácia - Guardiã da Saúde - do Quinzinho - José Joaquim de Almeida Filho,localizava onde hoje está a loja Montinis.

 

É BOM LEMBRAR TAMBÉM DE:

100-Bar do Paraíba.

101-Transporte Coletivo São Cristóvão de Irmãos Miksza Ltda.

102-Bar do Zé Raddi – de José Joaquim Raddi, Avô da Professora Shirlene Pupi e do Advogado José Anunciato Sonni.

103-Casa Barros - Tecidos, confecções – de José Barros – Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

104- Casa Hirata – Secos e Molhados.

105- Bar do Idalecio – Praça da Matriz.

106-Pensão do Salú – alagoano – Padrasto do Ex-Vereador Túlio Turke.

107-Bar e Sorveteria do Fausto Delalíbera, Pai dos irmãos: Florindo, Maurão e Mauricio Delalíbera - Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas.

108-Armazém do Tonhão – Saída para o Vale do Ivaí.

109-Mercado São José – de Faustino Bulgarão – Até hoje é da família Bulgarão (filhos)

110- Bar e Sorveteria do Cândido Vicente Arman – Pai do Pepe da Livraria Brasil e da Professora Loudes Rodrigues.

111- Brasil foto.

112- Francisco Dias de Souza (Seu Leão) – Comerciante – Quando chegou à Jandaia abriu a Casa Moreira, mais tarde o Bar Leão. Pai da Professora Augustinha Dias de Souza. O bar era o ponto de encontro das noites de domingo depois da 1ª seção do cinema. Quantas saudades deste lugar.

Obs. Em Jandaia havia muitos Japoneses e sua comunidade era chamada de "Hinode", assim como havia também muitos libaneses, italianos, espanhóis, etc.

 

 

Pérolas de Jandaia do Sul:

Artur Frediani – Pai do Aurélio Mecânico veio para Jandaia do Sul como funcionário da Companhia Melhoramento Norte do Paraná, em 1930 , na função de abridor de "picadas" e estradas. Vinha e voltava todos os dias, não ficou morando aqui. Só mais tarde veio residir em Jandaia do Sul.

VOCÊ SABIA QUE:

001 - O Marco Zero de Jandaia do Sul é no terreno vazio do Dr. Perseu esquina com prédio do Valtinho Faioli, isto é; Avenida Dr. Getulio Vargas esquina com a Rua Luis Vignoli.

(Foto 30)

Aqui é o marco zero da cidade. Local onde foi feita á primeira casa de Jandaia do Sul. Na foto está sendo preparado o terreno, em frente ao Dingo Bar, para se fazer o meio fio e o asfalto.

002 - A Primeira casa construída foi na quadra 24, terreno 01 em 1941, isto é, na Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getulio Vargas. Justamente onde está à foto nº 30. O seu construtor foi Felipe Collado.

003 - A Primeira pensão foi de José Darienzo e seu nome era Pensão Jandaia. E a segunda Pensão foi de Alberto Fachini que depois se chamou Pensão 07.

004 - No ano de1967 Jandaia teve a Miss Paraná e o 2º lugar de Miss Brasil, com Wilza de Oliveira Rainato. E que por problemas de casamento, a Miss Brasil 1967, Carmen Silvia Ramasco de São Paulo renunciou. Jandaia ficou com a Miss Brasil, assumindo o Cetro e a Coroa. Foi Wilza quem passou o Cetro e a Coroa de Miss Brasil para a eleita em 1968. Wilza era filha de Hermelino Rainato (Chaxá) dono do Posto Atlantic.

(Foto 31) - Wilza de Oliveira Rainato, Miss Jandaia, Miss Paraná e Miss Brasil em 1967.

Como você pode ver, Jandaia do Sul é a terra da Moças Bonitas e bem arrumadas. Na foto abaixo, a moça do meio é a nossa Amanda Bocchi Silveira, eleita Miss Paraná e Miss Brasil, Globo Internacional "O Miss Brasil 2009".

(Foto 32)

005 – Em Jandaia havia muitas pensões e hotéis porque quando chovia os carros que tentavam passar por aqui, não conseguiam, a rodovia era muito lisa e tinha atoleiros, cheia de subidas. Os carros ficavam encalhados por alguns dias em nossa cidade. E também porque muita gente vinha para nossa cidade, para abrir suas propriedades, e até que faziam seus ranchos de palmitos, tinham que ficar em Hotéis ou em Pensões.

006 - O nome de Cidade Simpatia foi uma homenagem dada pelo Professor João Welter Júnior, por ser uma Cidade muito bonita e acolhedora. João Welter também compôs o Hino a Jandaia do Sul. A autoria do nome "Cidade Simpatia" está em disputa com a Dona Divina Maria das Dores Oliveira que tem uma poesia feita em 1956, onde ela cita o nome de Cidade Simpatia, registrada no Tabelionato de Notas e Protesto da Olga Valentim de Carvalho.

007 - Os estudantes tinham muita força na cidade através da Ujes (União Jandaisense dos Estudantes Secundário) ou do GERCE (Grêmio Esportivo e Recreativo do Colégio Estadual) – Quando tentavam subir o preço da entrada ao cinema, os estudantes se mobilizavam e iam para frente do cinema fazer as chamadas filas bobas, isto é, cada estudante levava o dinheiro trocado, preço velho, não conseguia comprar a entrada, voltava e entrava na fila novamente, e a fila andava. Pessoas estranhas aos estudantes não entravam na fila, ficávamos assim até que a gerência do cinema chamasse os dirigentes da Ujes ou do GERCE para negociar. Assim, conseguíamos entrar no cinema mais uns tempos com os valores velhos, como era antes de subir.

008 - O Saudoso Professor Anélio Dias do Nascimento foi o Primeiro Presidente da Ujes. O Primeiro Presidente do GERCE foi Junge Okamoto. A família dele era dona do Bar do Vavá.

009 - O Sergio Sonni, homem muito forte, tinha muita força nas mãos, judiava das pessoas, com sua força, quando os cumprimentavam. Gostava de contar piadas, dava uns beliscões nos braços das pessoas que não tinha quem não gritava. Bebia um pouco demais, uma vez foi preso e quebrou a cadeia toda, no entanto era uma pessoa muito boa, ajudava a todos que ele podia. Tinha um Bar, onde hoje é o Kikoxinha, a pessoa comia um sanduíche, um croquete tomava um guaraná, e na hora de pagar ele dizia: você deve uma cochinha um croquete e um guaraná, e continuava invertendo a ordem: um guaraná um croquete e uma cochinha, a pessoa ficava em dúvida, com isto parecia que iria cobrar o dobro, depois ele cobrava o que era certo. Nos seus últimos anos de vida parou de beber e se dedicou ao ARA ajudando a muitas pessoas. Sergio era folclore em Jandaia, deixou saudades e faz muita falta para todos nós.

010 – A Primeira fábrica de refrigerante de Jandaia se chamava Beija Flor e seu químico era o Sr. Antonio Fortunato.

011 - O Primeiro quarteirão asfaltado em Jandaia do Sul, data de 1957, entre a Casa São Paulo e a Lanchonete Modelo, foi no governo do Prefeito Zito, e que durante a cerimônia de inauguração, ocorreu uma corrida de triciclo (bicicletinha de três rodas). O ganhador desta corrida foi o menino, hoje Professor Pedrinho Ricciardi.

012 - A Primeira Prefeitura de Jandaia foi uma construção de madeira situada na Rua Sarcedas, hoje Rua Dr. Clementino Puppi, em frente onde hoje é a Casa da Amizade, e a 2ª foi também em uma casa de madeira adaptada. Fica nos fundos da Farmácia Santo Antonio, que é da família do Seu Nenê da Farmácia, na antiga Avenida Bom Sucesso, hoje Dr. Getúlio Vargas.

013 - O Primeiro Tabelionato de Jandaia (Cartório de Paz e Anexos) foi do Seu Genésio Pires Ramos.

014 - O Primeiro Escrivão de Cartório foi o José Navarro, irmão do Salvador Navarro, o 2º foi o Seu Dalmão – Cartório de Seu Genésio Pires Ramos.

015 - O Primeiro posto de gasolina de Jandaia foi do Sr. Humberto Tokasqui – Sogro do Ivano Farinazzo – era naquele terreno vazio, na avenida. Terreno da família do Dr. Perseu.

016 - O Primeiro registro de nascimento, feito em Jandaia (05/03/49), foi do Édson Pereira, O Pereirinha do Depósito do Mané. O Édson foi também o primeiro que nasceu em Jandaia, depois de se tornar cidade.

017 - O Primeiro Cartório de Registro de Imóveis foi e é o da Dona Leonor Marquetti Caldas,

018 - O Primeiro foto foi o Foto Paixão.

019 - O Primeiro a comprar uma propriedade Rural em Jandaia foi o Sr. Gotardo Cavalaro. Comprou uma propriedade Rural no Barro Preto em 1936 - Avô do Arlindo da Emater.

020 - Os Primeiros Juizes de Paz de Jandaia foram Anunciato Sonni e Primo Maioli.

021 - O Primeiro Médico de Jandaia foi o Dr Evaristo Casimiro Twaldowiski em 1946 – Baiano, mais tarde veio o Dr. Manuel Ribeiro Ferraz, que foi o meu Médico.

022 - O Primeiro Advogado foi o Dr. Egas Dirceu Munis de Aragão, seguido pelo Dr. Cristóvão Soares Cavalcante.

023 - O Primeiro corretor de imóveis foi José Inácio da Silva.

024 - A 1ª Escola de Jandaia foi em frente ao Dingo Bar – onde é hoje estão a Paris Cosméticos e a Meninas Biju Modas.

025 - As Primeiras Professoras do Município foram a Dona Rosa Ruiz Darienso – Tia da Rute Guaita, e Inês Polliti - Mãe da Professora Angélica e a Professoras: Anita Prado e Egeni Mansur Pereira.

026 - Um dos Primeiros Carros de Praça foi comprado pelo Sr. Francisco Egídio de Sá, carinhosamente chamado de Chico Preto. Chico Preto era um homem muito respeitado e querido por todos – Pai dos irmãos: Benediro e Professora Cida Sá, esposa do Manolo, na mesma época era taxista também João Pagliarini, João Hernandes e Pedro Ruiz.

027 - A Primeira pessoa que nasceu, no local onde hoje é Jandaia, foi a Olívia Balieiro (31/08/1938) que foi casada com o Silas Matile, irmão do Professor Elizeu Matile. A Olívia teve uma morte muito trágica: Encostou uma escada em um muro no qual subiu para apanhar uns chuchus, caiu sobre a escada, bateu a cabeça, foi para o hospital e só voltou morta.

028 - Alípio dos Santos Xisto – foi o 1º gerente do Banco Comercial em 1950

029 - A Primeira Farmácia de Jandaia foi do Quinzinho em 1942, que além de Farmacêutico, ele era nosso Médico, Parteiro, Delegado, Conselheiro, Juiz de Paz e tudo mais,

030 - O Primeiro casamento realizado em Jandaia foi o do Nelson Lucien Fayolle e Adolfina Pereira em 13/03/49 (Pais do Valtinho Faioli da Imobiliária ou da Auto Elétrica), Valter Lucien Faioli. Nelson Fayolle de descendência francesa teve uma Serraria em Jandaia do Sul. O 2º casamento foi do Alfredo Martins.

031 - A Primeira Padaria (Padaria Central, Bar e Café Paulista) foi do Mário Roque Scândolo – que como referência cita o Sr. Arquimedes Scândalo Filho.

032 - Quem rezou a Primeira missa em Jandaia (que foi na casa do Alberto Dalboit) foi o Padre Antonio Lock de Mandaguari, ele continuou rezando as missas aqui em Jandaia antes de se tornar Paróquia.

033 - O Primeiro Padre (ficou pouco tempo em Jandaia do Sul), foi o Pe. Vicente Costa. Depois o Pe Vicente foi Bispo na Diocese de Umuarama. Em 1950 foi empossado o Pe. Dr. Marcos Alija Ramos, pelo Dom Geraldo de Proença Sigaud, Bispo Diocesano de Jacarezinho, Pároco da Igreja Matriz São João Batista, foto nº. 16. O Pe Marcos fez neste mesmo ano uma campanha de café junto a todos os sitiantes da época e conseguiu uma renda líquida de CR$ 80.441,00 (Cruzeiros). Dinheiro com o qual construiu a Casa Paroquial.

034 - Antonio Jorge de Azambuja e Souza foi o primeiro Agente do IBGE do Município de Jandaia do Sul.

035- Guilherme Bardi foi o Primeiro funcionário do Colégio Estadual de Jandaia do Sul,

036 - Luiz Borim foi o Primeiro maestro da Banda de Jandaia do Sul, Que com seu violino nas mãos, com seus músicos afinados tocando sanfona, trombone, clarinete e violão, fazia todos admirá-lo. Tocavam qualquer música, tanto do passado como do presente.

037 - O Primeiro Coveiro do Cemitério de Jandaia – foi o Sr. Antonio Biral – Pai do ex-prefeito João Biral. Quando faltava gente para ajudar a sepultar os defuntos, quem ajudava voluntariamente era o Sr. Roberto Borim que morava perto do Cemitério.

038 - O terreno do Cemitério ia até um pouco depois da Rua Geraldo Oliveira Almeida, que é a 2ª rua abaixo do Cemitério. O Prefeito João Pagliarini foi quem doou aquele terreno, do Cemitério, para a Cohapar fazer casas populares, local onde hoje é parte do Conjunto Habitacional 14 de dezembro. Ali foram Cemitério e Lixão de Jandaia do Sul, e ainda mais, que a Rua, hoje João Batista Mortean que já se chamou Rua Quitanda até 1957, depois Rua Rocha Pombo até 1976, só ia até onde hoje é o Cemitério, e que dali para frente, quem abriu a rua no local do Cemitério, foi o Prefeito João Pagliarini quando doou o terreno para a Cohapar. Onde está a Capela Mortuária também já foi Cemitério destacado, isto é: a rua foi endireitada pelo Prefeito Lino, deixando o local para a construção da Capela Mortuária. Portanto, o terreno para o cemitério era suficiente, foi bem planejado, foi reduzido pelo Prefeito João Pagliarini.

039 - A Primeira pessoa sepultada no Cemitério de Jandaia, era de Marumbi, foi em 25/12/43. Causa da morte: Uma árvore caiu encima dele. Ele se chamava Alfredo Lino – Pai da Zulmira Lino Sarzi e Avô do Gilberto Sarzi do PAM.

040 - O Primeiro Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais foi Antonio Machado.

041 - O Primeiro Prefeito de Jandaia do Sul, foi Lino Marquetti (1952 a 1956)

042 - O Primeiro Presidente da Câmara Municipal de Jandaia do Sul foi Plácido Caldas.

043 - A Primeira morte em Jandaia do Sul foi no Bar e Churrascaria "Buraco da Onça". O morto era filho do João Rosa. Ele e mais um se "pegaram" em luta corporal, o Seu Quinzinho, autoridade, foi separar a briga, estava difícil, ainda mais, ele desafiou o Quinzinho, levou a pior.

044 - Foi na oficina do Jordão que foi montado o Primeiro Motor a Diesel e o Gerador de eletricidade para Jandaia, foi colocado onde está hoje à garagem da Cooperval sobre uma pedra de concreto e que mais tarde foi aterrada, a pedra está debaixo da garagem da Cooperval até hoje. (Foto 21), ao lado do Posto de combustíveis).

Depois de algum tempo o motor foi vendido para uma pessoa de Paranavaí. Interessante: o Nival Farinazzo vendeu o Motor, recebeu e deixou o sujeito que comprou o motor levar o gerador de energia para vendê-lo em Paranavaí. O sujeito levou o motor e nunca mais deu as caras para pagar o Nival Farinazzo. Este gerador em Jandaia fornecia energia para mais ou menos 30 casas, só que era proibido usar ferro elétrico e radio. Depois, um segundo motor foi montado lá onde está hoje a Emater, encima de uma outra pedra que está lá até hoje. Aquela pedra estava dentro de uma casinha. Quem montou o segundo motor foi o Bruno Boszczowski - Pai do Helio casado com a Sueli Azoline e do Anésio Boszczowski da Fan e irmão do Aleixo Boszczowzki.

(Foto 33)

Este é o motor e o gerador de energia elétrica que foi montado por Bruno Bozezowisk, que está encima do caminhão.

045 - Minha Primeira Professora se chamava Neide Batista de Lima. Na escola tinha as Professoras chamadas Diolinda e Dinorá Terra, irmãs do Euswald A. Terra "o Vavá" do Bar Rodoviário. A Professora Dinorá era brava, as unhas dela tinham uns 3 centímetros de comprimento. Todos tinham muito medo dela, e era para ter mesmo.

046 - Primeiro Comércio de Jandaia foi o do Humberto Dalboit – Secos e Molhados.

047 - Primeiro Matadouro de Jandaia foi do Julio dos Santos, ficava onde hoje é o Jardim Morumbi.

048 - Primeiro filiado do MDB em Jandaia do Sul foi o Luiz Antonio dos Santos (Zito).

049 - Francisco Brione foi o Primeiro Topógrafo de Jandaia. Ele se orgulhava de ter aprendido a profissão estudando pelo Instituto Universal Brasileiro, e que, nas propagandas do Instituto tinha a fotografia do Seu Chico Brione.

050 - A Dr. Teresa Abrão foi a Primeira Secretária do Colégio Estadual Jandaia do Sul, quando ainda se chamava Ginásio Municipal de Jandaia do Sul.

051 - A Primeira Coletoria Estadual de Jandaia teve como coletor o Sr. Cláudio Molinari e se localizava na Rua Botucatu, hoje Rua José Joaquim de Almeida Filho, um pouco depois da Dona Olga Tonin.

052 - O Primeiro Zagueiro do Jandaia Esporte Clube foi João Batista Lemos (Batista Lemos).

053 - Que a Mãe do Mário Rigon, Dona Maria Rigon, foi Primeira Parteira de Jandaia do Sul.

054 - Que a Primeira Benzedeira famosa de Jandaia foi a Dona Augusta, Mãe do Professor Jesus – Seguida por outras, também famosas, Dona Aurora, Dona Nenê, Sr. Sebastião, Seu Jácomo Segantini e Dona Percilia.

055 - O Primeiro Estafeta dos Correios e Telégrafos de Jandaia do Sul foi o Sr. Pedro Felipe da Silva, Pai a Lucinéia Pontara (Neia da Faculdade).

056 - O Primeiro hotel de Jandaia do Sul foi de João Paduan – localizado na Avenida Bom Sucesso (hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas) esquina com a Rua dos Patriotas.

057 - Foto 34 da Primeira Igreja (Capela) de Jandaia do Sul

058 – Em Jandaia havia 11 Agências bancárias e que o Bradesco chegou a ter 36 funcionários.

059 - A Rodovia (BR-369) passava perto da Estação Ferroviária, subia pela Avenida Bom Sucesso, hoje Dr. Getúlio Vargas, e que foi o Lino, enquanto Prefeito, que solicitou o desvio da Rodovia para onde ela está hoje, na época deu muito que falar e muitos desabores para ele.

060 - No Bar do Ponto se reuniam os boêmios, muitos cantores e tocadores de instrumentos musicais, tais como: O Gauchinho Sanfoneiro, Osvaldo Anastácio que era filho de Alcides Anastácio, que batizou o Zuza Barão, primo do Antonio Barão. Osvaldo tinha uma voz melodiosa que mais parecia um lamento. Ele cantava e tocava violão como ninguém, sua voz parece ainda ser ouvida até hoje, e está na lembrança do povo jandaiense que o conheceu.

061 - O Primeiro posto de telefone instalado em Jandaia foi no alto da Avenida Dr. Getúlio Vargas. Tinha três cabinas e estavam sob o comando da Dona Vera, da Dona Matilde e da Dona Elza. Uma ligação de Jandaia para São Paulo demorava mais ou menos três dias. Quando Saia a ligação o Eurico saia correndo para chamar o interessado.

062 - A Primeira Banca de Jornal de Jandaia data de 1962, foi e ainda é do Juventino, e está no mesmo local da cidade. É o ponto de encontros dos intelectuais de Jandaia do Sul, pois ali se encontra boas revistas e bons Jornais.

063 - A Primeira Diretora do Grupo Escolar "Rui Barbosa" Atual Colégio Estadual "Rui Barbosa" Foi à saudosa Professora Francisca de Brito Lima. Isto foi em 1948.

064 - O Primeiro Diretor do atual Colégio Estadual "Jandaia do Sul" foi o saudoso Prof. João Welter Junior. Isto foi em 1953.

065 - José Maria de Paula Rodrigues – Pai de Lázaro de Paula Rodrigues (Seu Nenê) foi o Primeiro Cirurgião Dentista de Jandaia do Sul (em 1947).

066 - Luiz Antonio dos Santos foi o Primeiro de Jandaia a ter o Brevê de Piloto Privado, que é uma autorização para Pilotar Avião. Pilotagem civil, isto foi em 1954.

067 - João da Costa, Pai da Professora Terezinha Lovo, foi o Primeiro morador do Distrito de São José. Contava o Senhor João que quando chegou a São José, só tinha como morador naquele lugar, um Índio que logo se mudou.

068 - O Senhor Cláudio Raimundo, com seus 85 anos de vida, é um grande escultor de madeira.

069 - O Cemitério de Jandaia ia até onde hoje é a Capela Mortuária. A Rua passava atrás da Capela. O Prefeito Lino Marquetti foi quem mudou a rua. Tirou os corpos das pessoas que estavam sepultadas naquele lugar (Capela Mortuária) transportando-os para onde hoje é o cemitério ou para o ossuário.

070 - Existe um Terço que perdura por 55 anos em Jandaia. É o terço de Santos Reis que acontece todo dia 06 de janeiro na casa do saudoso senhor Albino Carroceiro, hoje rezado pelos filhos e pela Dona Ilza, esposa do Sr. Albino Assunção.

071 - Jandaia já teve 22 Máquinas de benefício de grãos de café, e que Jandaia por ser um grande produtor destes grãos, teve seu nome registrado na Famosa Enciclopédia Barsa, para que todos pudessem saber conhecer.

072 - Jandaia do Sul já teve a melhor, mais bonita e moderna Praça popular (Praça do Café). Com sua fonte luminosa, suas árvores, passarelas, suas águas coloridas e as músicas que eram tão bem administradas pelo Senhor Horizontino, que a todos tratava com muita dedicação, respeito e carinho.

073 - Muitas pessoas, principalmente jovens, vinham de outras cidades para apreciar a Praça do Café. O povo de Jandaia, nos finais de semana, ia para a Praça, os jovens para namorar ou arrumar um (a) namorado (a). Quantos casamentos tiveram seu início de namoro nesta Praça. O romantismo, o encantamento da beleza deste espaço ficou para sempre em nossas memórias.

074 - No Grupo Escolar Rui Barbosa, brincávamos de pião, bolinhas de gude, de jogo de pedrinhas, peteca e de passar anel. Eram brincadeiras sadias e sem maldade.

075 - Quando fazíamos alguma coisa errada, transgredíamos as regras, na escola o castigo vinha rápido: Ficar em pé atrás da porta e muitas vezes de braços abertos e até mesmo de joelhos em cima de grãos de feijão ou de milho em frente à porta da sala de aula. Comentavam que a próxima vez o aluno iria para um quartinho escuro, onde havia uma caveira. Todos morriam de medo e não havia a segunda vez.

076 - Em Jandaia do Sul houve uma época em que o representante do Jornal "O Diário" era analfabeto, o Chefe da Ciretran nunca dirigiu um carro, o Presidente dos Ensacadores nunca foi Ensacador e o Presidente dos Comerciantes nunca foi Comerciante e sim Comerciário.

077 - Na venda do Sr. Emílio Borgato, km 03, havia um senhor, não me lembro o nome que sempre insultava o Sr.João Raimundo no seguinte: Pegar 30 quilos de Açúcar (meio saco) nas costas, correr com aquilo, dar uma volta em uma árvore que ficava a uns 100 metros de distância e que, quem chegasse primeiro ganharia a aposta e ficaria com os 60 quilos que era o saco de açúcar completo. O Seu João Raimundo sempre ganhava a aposta, e depois para comemorar tomava e pagava pinga para todos que estavam ali para ver a disputa, e sempre juntava muita gente no local.

078 – O Hospital Nossa Senhora de Fátima nos anos 60, foi o melhor Hospital de toda a Região.

(Foto 34) (Foto 35)

Hospital do Dr. Casimiro e o Hospital e Ma- Hospital e Maternidade Nossa Senhora de Fátima

ternidade Nossa Senhor de Fátima. Do Dr. Jerônimo Martinez

079 - A Avenida Dr Getúlio Vargas se chamava Avenida Bom Sucesso, ia do Cantinho da Costela até a Casa do Zito Ex-Prefeito.

080 - A Avenida Tancredo Neves se chamava Avenida da Paz.

081 - A Avenida Marechal Cândido Rondon se chamava Rua Nicarágua, depois Rua Marechal Cândido Rondon,

082 - Quando foi construída a Igreja Matriz, ainda de madeira, houve uma disputa entre duas famílias Católicas tradicionais. Dalboit e Franco. Umberto Dalboit chegou a comprar a imagem de São Sebastião e queria como nome da Igreja "São Sebastião" e o Sr. João Franco que era o puxador de terços e rezas em toda a região, e que era devoto de São João Batista, queria "São João Batista", nesta disputa entre os poderosos da religião da época ganhou o João Franco. Por isto Jandaia, no passado, comemorava com grandes festas São Sebastião. Comemora-se em 20 de janeiro com atos religiosos, comemora-se também São João, São Pedro e Santo Antonio.

(Foto 36) (Foto 37)

2ª Capela de Jandaia do Sul (4X5) – 1940. Catedral São João Batista – 2009.

083 - Quando foi para abrir a mata de Jandaia e região, tiveram que expulsar os índios queimando suas casas, ou melhor, suas palhoças. Expulsaram mais de 5.000 Índios que existiam por aqui. Isto está provado pelos vestígios e pela grande quantidade de panelas de barro e machadinhas que se encontrava nesta Região.

084 - Na Região havia muitos condutores de porcos (chamados tocadores de porcos, ou até mesmo, porqueiros) e boiadeiros que transportavam porcos e bois, por terra, para todas as Regiões, principalmente para os frigoríficos de Apucarana, Londrina e Maringá. Chegavam a transportar porcos e bois da Vila Rica (Fênix)/ São João do Ivaí até as cidades já referidas, onde iam vendê-los. Havia também muitos tropeiros que transportavam mulas e cavalos.

085 - Ademar Sonni e João Franco e outros tantos, nasceram em Jandaia e foram registrados em Rolândia, pois Mandaguari ainda não era Município e não tinha Cartório de Registro de Nascimento. Mandaguari era um povoado chamado Lovat que mais tarde se chamou Vitória e depois Mandaguari.

086 - No início de Jandaia, quando uma mulher ganhava neném, as vizinhas levavam de presente uma galinha, para se fazer canja, e não roupinhas como se faz hoje.

087 - O Distrito de São José era conhecido como: As biquinhas (lá tinha Três biquinhas) de água e os cavaleiros e transeuntes, em geral, paravam ali para tomar água. Mais tarde ficou conhecido como "O 13" isto é, km 13.

088 – O RIO CAMBARÁ NASCE DEBAIXO DA RODOVIÁRIA. Onde hoje está o Terminal Rodoviário de Jandaia tinha uma nascente de água que corria em um tronco de palmito, que nós usávamos para tomar água quando estávamos com sede. Esta nascente de água foi canalizada em 1954, até a Rua Pe João Barbieri em um bueiro próximo com a Rua Roberto Farinazzo. Daí para baixo a água corria a céu aberto, pois era tudo capoeira ou mato. Mais tarde, já no governo do Prefeito Hermínio Vinholi, foi feito uma grande canalização das erosões que ali existiam, e o rio foi canalizado até onde hoje é a nascente do Rio Cambará. Quem conta esta história, com detalhes, é Paulo Balarini, que junto com outros, começou esta canalização do Rio.

089 - A Farmácia do Quinzinho era na Avenida Bom Sucesso, hoje Avenida Dr. Getúlio Vargas esquina com a Rua Souza Naves. Neste local a Rua foi rebaixada mais de um metro pelo então Prefeito Lino Marquetti,

090 - Onde hoje é o Country Club, no início era para ser o Jandaia Esporte Clube (JEC), só não foi porque na escavação deu uma pedra muito dura que acabou não sendo possível continuar com o evento.

091 – Melão (Celso Santos Correia, a voz mais bonita que Jandaia já teve), fazia propaganda para as Lojas Barros, Casas Pernambucanas, etc. Fez também a campanha para Prefeito do Lino Marquetti. Melão chegou à Jandaia com o Circo do Paulistinha e João Minhoca. O Circo foi montado defronte ao Brasil foto. Melão gostou de Jandaia e não foi mais embora. Morreu aqui e na miséria.

092 - O Pirulito (Joaquim Albino de Souza) vendia pirulitos com prêmio nas ruas da cidade, a maioria dos pirulitos estava premiada. O Pirulito tinha um Pé de bode e uma vez ele atropelou o Mecânico Maurício Delalíbera.

093 - O Pacova – Quando alguém lhe chamava de Pacova, sempre bêbado, respondia: Eu me chamo José Lucas Cardoso.

094 - O Balaco – Vivia sempre bêbado – ficava ali pela pensão do Trovão caído pelo chão e o Francisco Trovão era quem lhe dava comida e local para dormir.

095 - Outra importante personagem de nossa cidade foi o Geraldinho Preto (Geraldo Ribeiro da Silva) Sempre assoviando, tinha uma voz muito peculiar, rouca. Ele era muito feliz da vida. – Pai de 11 filhos, entre eles, o Hilário Francisco da Silva – o Hilário da Jamel. Há uma história muito interessante do Geraldinho Preto: Quando ele se aposentou, recebeu um dinheirinho do acerto. Foi então comprar uma geladeira em uma loja que ainda existe em nossa cidade. O vendedor conhecendo o Geraldinho, não lhe deu atenção, desfez dele. Ele foi à loja vizinha, chegou e falou que queria comprar uma geladeira, o vendedor o atendeu bem e vendeu a geladeira à vista. Ele comprou a geladeira e passou transportando-a em uma carroça em frente à loja que não acreditou nele. O Primeiro vendedor perdeu uma venda por não acreditar nas pessoas (no Geraldinho). Esta é uma história verdadeira.

096 - O Ciro Albino de Souza (voz muito bonita) fazia o trabalho de alto-falante da Igreja Matriz, a Ave Maria – Quantas saudades! - fazia também propaganda das Lojas nas ruas.

097 - Mário Danna, o homem que asfaltou Jandaia, e que asfalto, heim!

098 - Inocêncio Carvalheiro tinha um viveiro de mudas de café na Rua Pe João Batista Barbieri. Ele era conhecido como o homem do pito, fumava no cachimbo. Era o pai do Ditinho do caminhão de Praça,

099 - Napoleão do Cinema (o lanterninha). Temos histórias para contar do mitológico Napoleão, ele usava um farolete para encaminhar as pessoas que chegavam atrasados ao cinema, quando o filme já havia começado, isto é: o salão de espetáculo estava escuro. Usava também o farolete com o intuito de vigiar pessoas que estavam se "amassando" ou se beijando, para tirá-las do cinema, e para expulsar do cinema, devido às batidas de pés, quando iniciava a música tocada no início dos filmes, nas matinês de domingo.

100 - Bar do Vavá – de Euswald A. Terra. Além do Bar era parada de ônibus e ali havia um salão com 03 (três) barbeiros: Manoel Messias Caldeira, Elpidio e José Maria.

101 - Quem não se lembra da fanfarra do Professor João Welter Junior? Quanto sucesso e quantas vitórias trouxemos para Jandaia nos concursos de fanfarras por este Paraná afora. Com seu uniforme verde e branco e com orgulho no peito muitas alvoradas fazíamos. No dia da Independência do Brasil, acordávamos toda a cidade logo pela manhã. Ouvindo as nossas batidas de surdos, repiques e tambores acompanhados pelas cornetas em si e em fá e no tubo ia todo orgulhoso o Sr. Manuel (Seu Mané) da Cantina. Um de seus colaboradores mais forte era o Professor Adílio.

102 - Aquela Praçinha perto do Consultório dental do Dr. Marcelo Vida Leal, tem como homenageado Juvenal Dias de Souza. Justa homenagem. Ele morreu queimado tentando salvar os pertences Colégio Estadual de Jandaia, quando pegou fogo e queimou tudo em 1959.

103 - O Colégio começou a funcionar em 1954, fundado pela Lei 131/53 de 05/10/53.

104 - Em 1951 foi inaugurada a Estação Ferroviária, mas só em 1952 começou a passar os primeiros trens por Jandaia do Sul.

105 - João de deus – Vendia paçoquinhas, amendoins torrado, bananas, etc. em uma carroça puxada por uma égua, e tinha um cachorrinho que andava montado no lombo da égua, mais parecia um macaquinho. João de deus parecia que estava rezando, carroceando pelas ruas da cidade oferecendo as tais paçoquinhas.

106 - O Sr. José Borges levou o nome de duas serventes de Escolas do Município para o Governador do Estado e trouxe, por engano, as duas nomeadas como Professoras, uma não aceitou, mas a outra aceitou, estudou e foi uma excelente Professora de Português.

107 - Quando inaugurou o Cemitério, a tristeza se transformou em festa com foguetórios e tudo mais.

108 - Quando chovia, na rodovia Jandaia/Mandaguari (Barro Preto), os carros atolavam na lama e se formavam grandes filas de caminhões encalhados, pois as estradas eram de chão batido.

109 - O lendário Jaburu (Augusto Pereira Rosa) tinha este apelido por se apossar de uma ave chamada de jaburu, sem ordem, para vendê-la ao Prefeito da época, virou gozação e o apelido pegou.

110 - Jaburu conhecido pelas bebedeiras diárias, contando histórias de odaliscas, haréns, mulheres de zona, etc. Ele tinha crédito em todos os bares. Era muito querido pela população de Jandaia. Morreu nos arredores da ferroviária. O povo de Jandaia chorou sua morte. Era um assíduo frequentador do Bar do Ponto.

111- Quando o Jaburu estava bêbado, e estava sempre, dizia que o Dr. Clementino S. Puppi (Juiz de Direto de Jandaia) só tinha um terno para usar.

112 - Quando alguém o chamava de Jaburu ele dizia: Eu me chamo Augusto Pereira Rosa.

113 - Luiz Antonio dos Santos (Zito) foi funcionário eleito da Prefeitura de Apucarana e trabalhou como Agente Municipal – representante de Jandaia - de março de 1948 até 1951. De 1951 a 1955 foi eleito Vereador, mais votado por Apucarana, atuou como Vereador de 11/12/51 a 11/12/55.

114 - Zito comprou também o Primeiro caminhão de transporte de Jandaia e região um (Chevrolet Gigante ano 1942), logo em seguida o Salvador Navarro e o José Darienso compraram outros caminhões. Em 1951, concorreu com Lino Marquetti nas eleições para Prefeito em Jandaia do Sul e perdeu. Obteve mais votos na sede (Jandaia), mas perdeu no interior do Município. Lino era de Barbosa Ferraz e tinha muito conhecimento naquela região.

115- Jandaia tinha também o conhecido por todos da época, o "Banana", uma pessoa "muito Esperta". Não se confundir com o nosso amigo Bananinha de hoje.

116 - Paulo Nocchio – Paulo Cabriteiro - foi o Primeiro verdureiro de Jandaia.

117 - Em Jandaia tinha o Soldado Mário, logo que passou para Cabo Mário, morreu. A situação para os Policiais Militares, era tão difícil que ele trabalhava com a calça toda remendada. Ele era Pai do Garibaldi que hoje reside em Maringá.

118 - Todas as pessoas citadas ao longo deste artigo foram realmente às pessoas que ajudaram Jandaia a crescer, se bem que alguns Prefeitos deixaram muito a desejar.

119 - Apesar de que, na época, era um Patrimônio pacato de um povo feliz e acolhedor, muito fraterno, se ajudavam sempre que podiam, nos anos 50 ficou muito violenta, com muitos jagunços pela cidade e muitos homicídio, homens valentes. Há uma história que vale a pena destacar, recordar: um destes jagunços, capangas, recebeu a missão de matar uma pessoa, foi ao encalço, e em uma garapeira que existia na Avenida Bom Sucesso, hoje Dr. Getúlio Vargas, atirou na testa do sujeito, depois que a vítima tombou, o jagunço olhou para o morto do "cara" e disse: "Hum! Não era esse". Matou a pessoa errada (o Valentim se salvou).

120 - O Naim (que não é o Libos) e sim o Abrahn – Tinha uma casa de tecidos, foi ele quem matou o Sarraff, que tinha uma loja de vendas de roupas feitas e Armarinhos. O assassinato ocorreu assim: Sarraff um homem forte e o Naim um homem muito sério e franzino. O Sarraff sempre bebendo, colocou uma bebida em um copo e mexeu com o dedo e tentou obrigar o Naim beber. O Naim não gostou, discutiram e acabou por matar o Sarraff. Os dois eram libaneses.

121 - Há também história nada violenta: Dizem que uma mulher da alta sociedade da época, passando em frente às Casas Pernambucanas sentiu sua calcinha descendo pernas abaixo, e o que fez? Deu uma sapateada, a calcinha acabou de cair, ficou na calçada, que era de terra, e a senhora foi-se embora numa boa. Tirou de letra. Obs. "A calcinha era feita de saco de açúcar".

122 - Por volta dos anos de 1938, 1939, as poucas pessoas, que moravam em Jandaia, que recebiam correspondências, tinham que ir buscá-las em São Pedro (ali tinha uma caixa de correspondências e um telefone (que não era igual aos de hoje) da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná). São Pedro, um local para uma cidade projetada e que não progrediu por falta d’água. Hoje é um distrito de Apucarana, chamado de Caixa São Pedro e, o Acréscimo de "Caixa" foi porque ali existia a tal caixa do Correio. Mais tarde, quem fazia esse trabalho de correio era o Seu Quinzinho da Farmácia, só que ele já ia buscar as correspondências em Apucarana.

123 - Em 1947 quando começaram a fazer a linha de ferro de Jandaia, feita na picaretas, enxadões, foices, machados e outras ferramentas, mais de 1000 carroças transportavam terras para os aterros e cortes, com burros ensinados, pois não tinham carroceiros, só havia os estaladores de jibóia, inclusive o José Alves, morador de Jandaia até hoje, era um deles. Tinha também mais de 1000 pessoas trabalhando na confecção da linha.

124 - Em 1945 o povo de Jandaia do Sul passou pela catástrofe da Febre Tifóide que matou muita gente.

125 - Em 1952 ocorreu um tornado devastador, aquele canudo de vento que veio arrancando tudo. Arrancou a casa e a tulha do Monteiro do cachorro quente e não fez nada com um caminhão novinho que estava a meio metro da tulha que foi arrancada pelo tornado. Foi encontrado pedaços da tulha e da casa a mais de dois km de distância.

126 - Em 20/10/1995 aconteceu uma das maiores tragédias em Jandaia do Sul, uma chuva de granizo que acabou com os telhados e vidros das janelas das casas, neste dia também a chuva de granizo acabou com a agricultura do nosso município. Lembrança muito triste para o seu povo.

127 - Zito trouxe de Apucarana a madeira para a construção da Igreja Católica de Jandaia do Sul, que ficou pronta em 1947, foto nº.18.

128 – Antonio Costenaro Neto, este grande empresário de Jandaia, começou a vida como alfaiate, depois adquiriu uma gráfica e hoje é o empresário da Cana de Açúcar, do Álcool, da Comunicação, da Agricultura e porque não, da Saúde.

129 - Na Sucametal há um Ford Modelo Bigode – 03 pedais – ano 1918. O Mauro Valério tem um Ford ano 1928. O Aurélio Mecânico tem um Fiat ano 1935.

130 - Se cavarem a Avenida Getúlio Vargas na altura da Lanchonete Modelo e Hospital Nossa Senhora de Fátima verão que a um metro ou pouco mais para o fundo existe meio-fio. Depois de feito o meio-fio, a Avenida foi aterrada para dar nível com a Rua José Maria de Paula que ficou mais alta, pois ali havia bolas de pedras muito grandes e muito duras. Não conseguiram rebaixar mais aquela rua.

131 - Jandaia nos seus primórdios havia muitas carroças de bois e carroções de burros.

(Foto 38) Carroça de boi Mineiro com três juntas.

Firmo Dias proprietário da Carroça que está sendo conduzida por Firminho Paes Dias com seus dois sobrinhos: Aloísio de Almeida Figueiredo Cruz (Advogado) e José Barros do Nascimento (Zizito) Professor.

Foto tirada na Rua Senador Souza Naves ao lado da Igreja Matriz, em Jandaia do Sul.

132 - Lino Marquetti era um homem decidido, uma vez ele quebrou um homem de tantas pancadas de balaustre, o desentendimento foi causado por uma construção.

133- As ruas paralelas com a Avenida Dr. GetulioVargas, do lado de baixo, começando pela José Maria de Paula, não tinham passagem no cruzamento com a Rua Plácido Caldas, onde formou-se uma cratera muito grande, foto nº. 39. O Prefeito Lino deu fim a tão falada Cratera, fazendo a galeria de águas pluviais que foi até ultrapassar a linha férrea. Na tentativa de ultrapassar a cratera, em um dia de chuva, a água levou o Sr. Malaquias, o qual foi encontrado morto, uns dias depois, a uns 4 (quatro) quilômetros correnteza baixo.

(Foto 39)

134 - Por volta de 1942 os caçadores de animais silvestres gostavam de fazer suas caças onde hoje é a Rodoviária. No local que havia a nascente do Rio Cambará e os animais ficavam por ali para tomar uma boa água. Quem gostava de contar estas histórias era o Sr. Luiz Bonardi.

135 – Jandaia tinha 03 (três) Zé Cardoso: O Zé Cardoso Colchoeiro, o Zé Cardoso Pedreiro e o Zé Cardoso das Galinhas. (o grande problema estava nas contas bancárias)

136 – Em 1953, na fundação do Ginásio Municipal, hoje Colégio Estadual, houve um desentendimento entre Lino Marquete e os Vereadores. Lino solicitou ao Policial Mário Soldado que pedisse aos moradores da região para saírem de suas casas, poderia haver sair um tiroteio se os Vereadores não aprovasse o projeto. A reunião da Câmara foi até tarde da noite e no final das contas tudo deu certo e o projeto foi aprovado.

137 – Em 1966, o (JEC) Jandaia Esporte Clube foi Campeão Paranaense de Futebol.

138 – Pessoas ilustres que nasceram, estudaram, viveram ou vivem em Jandaia do Sul:

I - Benedito Pinga Fogo de Oliveira (Pinga fogo) = Empresário, Apresentador de Televisão e Locutor de Rádio.

II - Jadel Gregório = Atleta do Salto Triplo.

III - Glauco Villas Boas = Desenhista e Cartunista.

IV -José Manoel (Zezé) = Locutor de Esportes da Jovem Pan em São Paulo.

V -Carlos Roberto Massa = Empresário, Apresentador e Animador de Televisão do SBT. (Ratinho).

VI - Carlos Roberto Massa Junior = Empresário e Deputado Federal (Ratinho Junior).

VII - Marcos Lopes Martins = Eleito cinco vezes Vereador por Osasco e duas vezes Deputado Estadual por São Paulo.

VIII - David Gonçalves = Escritor com 28 livros escritos e publicados.

IX - Wilza de Oliveira Rainato = Miss Jandaia do Sul, Miss Paraná e Miss Brasil em 1967.

X – Gerson Tarosso (Advogado Tributarista).

XI – Leonildo de Souza (Léo Junior) Apresentador de televisão em Maringá.

XII – Edna Cristina Calixto (Cristina Calixto) Apresentadora de televisão em Maringá.

XIII – Juliano de Oliveira (Juliano Pinga) Apresentador de televisão em Maringá.

139 - UM LAMENTO E O FAÇO DE PÚBLICO: São duas divisas do nosso município: Uma ao norte com a cidade com Mandaguari e a outra ao leste com a cidade de Cambira. Os nossos dirigentes da época deixaram muito pouco espaço para Jandaia, foram fracos na negociação com Apucarana e Mandaguari. Ficamos engessados nos dois sentidos. É lamentável! Não podemos crescer sem que invadamos estas duas cidades.

140 – Hoje, ano de 2011, tem um senhor Chamado Antonio Roque dos Santos, homem simples, de fala mansa, que conta estórias com uma magia que encanta a todos de nossa cidade. Ele gosta de passar horas contando estórias, na verdade ele transforma quase tudo que fala em "causos", e conta estas estórias para alegrar e também distrair os que estão perto dele. Ele inventa tão bem as estórias, que imagino, que até ele acha que o que fala é verdade.

Estes dados foram resultados de pesquisas de campo, internet e em livros.

O nosso objetivo foi poder contribuir, com a mais pura verdade, para com as pessoas que se interessam pela história, bem resumida, do nascimento de Jandaia do Sul.

Até então Pioneiros descritos eram todos ricos, ou alguém já tinha visto algum Pioneiro, descrito em livros, pobre?

Povo sem história é povo sem memória. Acredito que estamos fazendo alguma coisa para preservar a memória de um Povo, de uma Cidade e de um País.

Como se vê:

"A metade de mim é partida, mas a outra metade de mim é Saudade".

(Ferreira Gullar)

 

Recanto do Professor Geremias

(Foto 40)

141 – E para finalizar, este é um dos pontos turísticos lindíssimos de Jandaia do Sul. Um bom lugar para se distrair, passar umas horas agradáveis, comer um bom peixe e almoçar aos domingos. É um lugar muito bonito, com atendimento familiar, e está localizada no contorno norte, a 01 km do centro de Jandaia do Sul.

Meu e-mail é: profmiltonlopes@gmail.com

Jandaia do Sul, em 25 de março de 2011.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O principal desta história relata um tempo não tão remoto, mas que com certeza pertence ao passado. Todas as pessoas aqui citadas viveram tempos que não voltam mais. Uns viveram este tempo por amor...

Outros morreram de amor...

De qualquer forma eles são hoje homens que marcaram uma época.

Os anos passaram. Vivemos muitas lições de vida, aprendemos a vasculhar nossas recordações do coração e acariciar lindos momentos que se foi para nunca mais voltar.

Relembrar é viver um pouco mais.

Eu posso dizer a todos que, rememorar esta história da minha cidade natal, foi muito prazeroso.

Acredito que estou com minha missão cumprida. Está é a sensação que estou sentindo neste momento.

Professor Milton

 

 

O essencial não é ter vencido, mas ter lutado bem.

Que Deus Guie a todos para o caminho de justiça e de paz.

 

BIOGRAFIA DO AUTOR.

Professor Milton Lopes é nascido em Jandaia do Sul em 1946 e registrado em Mandaguari, pois naquela época em Jandaia do Sul não tinha Cartório de Registro Civil:

Agricultor (1960, 1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1966 e 1967), Comerciário (1968 e 1969), Professor de Matemática há mais de 41 anos (1970 até hoje) com efetiva dedicação na Educação Pública do Estado do Paraná, quando estudante foi Presidente do Grêmio Esportivo e Recreativo do Colégio Estadual Jandaia do Sul (GERCE 1967 e 1968, mandato eletivo e sem remuneração), Secretário de Escola (1972, 1973 e 1974), Presidente do Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização) nos anos 70 (Mandato eletivo e Voluntário), Vice-Presidente na Construção da Capela Menino Jesus de Plaga em 1976 – Conjuntos Habitacional Guadalajara (mandato eletivo e sem remuneração). Diretor do Colégio Estadual Jandaia do Sul por 2 mandatos (1983, 1984, 1985, 1986 e 1987), sempre eleito pelo voto da Comunidade Escolar, Presidente da Associação de Pais e Mestres (APM) do Colégio Estadual Jandaia do Sul (1992/1993) (mandato eletivo e sem remuneração), Vice-Presidente da APROJAN – Associação dos Professores Jandaienses (89,90, 91, 92, 93, 94, 95) (Mandato Eletivo e sem remuneração), Vereador pelo PT (o segundo mais votado) em Jandaia do Sul (2001, 2002, 2003 e 2004), Secretário Municipal de Educação do Município de Jandaia do Sul (2005, 2006, 2007 e 2008), Membro do Conselho de Curadores da Fafijan de Jandaia do Sul, na qualidade de Conselheiro Suplente, no Período de 14/06/2005 a 03/06/2008 e como Conselho Titular, de 04/06/2008 a 03/06/2009,(mandato eletivo e sem remuneração), Presidente do PT, pela 2ª vez, em nível Municipal em Jandaia do Sul, eleito para o triênio (2010, 2011 e 2012, mandato eletivo e sem remuneração). É Membro do Corpo de Jurados da Comarca de Jandaia do Sul, desde a década de 80. Estudou em Escola Pública o Ensino Fundamental e Médio. Tem dois Cursos Superiores e Pós – Graduação em nível de Especialização em Matemática Superior.

 

Milton De Martini Lopes Villar

Professor de Matemática.

 

 

FONTES CONSULTADAS

1º - Semana Santa em Jandaia do Sul – 1952 – Escrito pela "Igreja Católica".

2º - Consultas Populares (Povo de Jandaia do Sul).

3º - Livro "Jandaia do Sul - Cidade Simpatia" de Antonio Jorge de Azambuja e Souza – 1964.

4º - A história de Jandaia contada por seus Pioneiros. – FAFIJAN - 1988

5º - O Paraná e seus Municípios de João Carlos Vicente Ferreira - 1996

6º - Livro "Jacus e Picaretas" de Ildeu Manso Vieira - 1999

7º - Livro "Jandaia do Sul: Passado e Presente" da Professora Terezinha Barbosa Guimarães – Março de 2006.

8º - IBEGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

9º - Internet.

 

QUEM QUER FAZER ALGO, ACHA UM MEIO...

QUEM NÃO QUER, ACHA UMA DESCULPA...

(Robert Shinyashike)